076. A Jerusalém que desce do Céu

No livro do Apocalipse, na tradução bíblica de João Ferreira de Almeida e segundo a edição Revista e atualizada, está escrito: “Vi novo céu e nova Terra, pois o primeiro céu e a primeira Terra passaram, e o mar já não existe. Vi também a cidade santa, a nova Jerusalém, que descia do Céu, da parte de Deus, ataviada como noiva adornada para o seu esposo” Ap. 21:1 e 2.

Esse texto é uma das mais lindas declarações que encontramos na Palavra de Deus, e fala de uma das mais doces esperanças do cristão. Entretanto, ela apresenta um problema que pode confundir alguns estudantes das Escrituras. Viu João, realmente, a cidade no momento em que ela estava descendo do Céu?

Vejamos a ordem cronológica delineada em Apocalipse 19, 20 e 21.

Assim, temos, como eventos que marcam o início do milênio, a volta de Jesus e a morte dos ímpios encontrados vivos nessa ocasião (19:11- 21), a prisão de Satanás ( 20: 1 e 2) e a primeira ressurreição (vs. 4-6). Durante o milênio, os ímpios mortos permanecem nos sepulcros (v.5), Satanás continua preso (v.2), os santos julgam e reinam com Cristo, no Céu (v.4).

No final do milênio, os ímpios ressuscitam (v.5), Satanás é solto de sua prisão e sai a enganar as nações (vs. 7 e 8). A Nova Jerusalém já terá descido do Céu, pois os santos estão dentro dela e os ímpios tentam atacá-la (v.9). Porém desce fogo do Céu e os consome, episódio este que é descrito também como o lago de fogo (vs. 9 e 10). Entretanto, antes que os ímpios sejam consumidos, enfrentam o julgamento, detalhado nos versos 11-15 de Apocalipse 20.

 

O impasse

Após o lago de fogo vem a descrição, em Apocalipse 21, do novo Céu e da nova Terra. E aqui tem início o problema de interpretação relacionado com a descida da nova Jerusalém. Depois de João ter visto o novo Céu e a nova Terra, o texto declara que o apóstolo vê descer a cidade santa.

Ora, se essa cidade desce depois de terem sido criados o novo Céu e a nova Terra, como pode ter descido antes do lago de fogo e ter sofrido um ataque por parte dos ímpios?

Não faz muito tempo, ao discutir o assunto do milênio com alguém que defende uma posição doutrinária diferente, fiquei pensando em como iria apresentar-lhe esse ponto referente à Nova Jerusalém.

Voltei-me então para o idioma grego, em que o verso foi escrito originalmente, a fim de verificar se a tradução em apreço é realmente a mais correta ou se existe margem para outra interpretação. Devo dizer que o assunto também foi submetido à avaliação de vários professores do idioma grego.

 

Análise de texto 

A questão fundamental é a seguinte: João viu a cidade justamente no momento em que ela estava descendo? A expressão grega usada em Apocalipse 21:2 é Tem hagian Ierousalem Kainen eidon katabainousan ek tou Ouranou apo tou Theou. É usada três vezes no livro do Apocalipse, relacionada à Nova Jerusalém: Apoc. 3:12; 21:2 21:10.

É importante notar que, nas três passagens, a forma verbal usada é exatamente a mesma, ou seja, um particípio presente feminino: Katabainousa (n), do verbo katabainw (descer). Porém, em Apocalipse 3:12, a expressão é traduzida como “a Nova Jerusalém que desce do Céu”, enquanto no capítulo 21:2 e 10 é traduzida como “a (Nova) Jerusalém que descia do Céu”. E isso dá a idéia de um evento que estava em processo, naquele momento.

Embora em todas as passagens nas quais é usada essa forma verbal no Apocalipse seja possível (mas não imperioso) que a cidade seja vista descendo, isso definitivamente é impossível na passagem de Apocalipse 3:12 “Ao vencedor, …gravarei também sobre ele o nome do Meu Deus, e a nova Jerusalém que desce do Céu, vinda da parte do Meu Deus, e o Meu nome”.

Trata-se aqui de uma promessa de Jesus para o futuro, e não de um evento que João esteja presenciando em visão. Ou seja, em Apocalipse 3:12, João nem mesmo está vendo a cidade, muito menos vendo-a descer. Aqui, a expressão katabainousa ek tou Ouranou está funcionando adjetivamente, limitando Kaines Ierousalem.

Em outras palavras, Katabainousa ek tou Ouranou é uma qualidade que a cidade possui: ela é uma cidade do tipo que desce do Céu. Portanto, o significado desse particípio adjetival é simplesmente “a nova Jerusalém vinda (descida) do Céu, da parte de Deus”. Essa seria a tradução mais correta e mais fiel ao original.

Inferência 

Assim, vemos que, uma vez que a forma verbal é exatamente a mesma em Apocalipse 3:12; 21:2 e 21:10, não há base nenhuma para traduzir essas passagens de maneira diferente.

O que ocorreu foi uma inferência da parte dos tradutores, no sentido de que João, no capítulo 21:2 e 10, estivesse vendo a cidade descer o que absolutamente não pode ser comprovado. Ao contrário, o texto dá margem para entendermos que, quando o apóstolo viu a cidade, ela já estava no local.

Por isso foi necessário que o anjo o levasse a “uma grande e elevada montanha”(v. 10), a fim de que ele tivesse uma visão panorâmica da cidade e pudesse enxergar dentro dos seus muros.

Notemos que, quando o Novo Testamento fala da cidade santa, há um esforço deliberado para distingui-la da Jerusalém terrestre. Paulo tem suas próprias expressões para descrever a cidade: “a Jerusalém lá de cima” (Gal. 4:26), a cidade do Deus vivo, a Jerusalém celestial” (Heb. 12:22).

Em minha opinião, Katabainousa (n) ek Ouranou apo tou Theou é simplesmente a expressão que João cunhou para descrever a cidade como a nova Jerusalém “vinda do Céu, da parte de Deus”.

 

 

Fonte: Mais Relevante

Sobre Weleson Fernandes

Escritor & Evangelista da União Central Brasileira

Verifique também

128. Por que os Adventistas não se unem às demais religiões

  Por que os Adventistas não se unem às demais religiões e não aceitam observar …

127. – 10 Passos para deixar sua esposa mais feliz

COMO DEIXAR SUA ESPOSA MAIS FELIZ E MELHORAR O CASAMENTO Um homem só  é completo …

126. O que é um “pecado para morte” mencionado em I João 5:16 e 17?

Vejamos o contexto do que João está escrevendo. No capítulo 5, versos 14 e 15, …

Deixe uma resposta

×

Sejam Bem Vindos!

Sejam bem Vindo ao Portal Weleson Fernandes !  Deixe um recado, assim que possível irei retornar

×