Uma Filosofia Bíblica da Música Cristã

Introdução

Existe muita controvérsia hoje em torno da questão da música em nossas Igrejas Batistas Independentes (2). O pastor médio de hoje freqüentemente admitirá que conhece muito pouco acerca de música, e geralmente deixa as decisões relativas ao ministério da música para o líder dos cânticos ou o regente / diretor do coral.

A razão principal pela qual muitos dos pastores conhecem tão pouco acerca da música é que nunca lhes foi ensinada uma Filosofia Bíblica da Música Cristã. A maior parte dos seminários [ou faculdades de Teologia] de hoje em dia não ensina muito a respeito de padrões musicais, e com freqüência deixam tais decisões, com relação a o que ouvir e executar, para os próprios estudantes.

Existem 749 referências à música na Bíblia, e cada uma destas referências é no contexto da adoração. Música é adoração. Adoração sempre é dirigida para cima, em direção a Deus, nunca para fora, em direção às pessoas. Música não é entretenimento, nem para ser usada para atrair uma multidão, nem mesmo para o evangelismo, mas sempre é adoração! (3)

Tenho ouvido pastores dizerem, após uma música especial. “Eu poderia pular o sermão e fazer o apelo.” Este é um comentário triste acerca do entendimento do pastor sobre o que suscita decisões cristãs. Minha Bíblia diz: “Logo a fé é pelo ouvir, e o ouvir pela palavra de Cristo” [Romanos 10:17]! Um fato muito importante que precisamos compreender é que Satanás é o maior especialista mundial em música! Ezequiel 28:13 nos fala que Lúcifer foi criado para ser o dirigente dos cânticos no céu. Deus criou nele o maior conhecimento do universo com relação à música. Quando Satanás ataca a igreja de Cristo hoje, ele usa sua melhor e mais afiada arma, aquela na qual ele é o maior especialista, a música.

Existem poucos assuntos que causam maior ira nas igrejas hoje em dia do que o assunto da música. Tenho visto líderes de cânticos deixarem o serviço e a igreja, apenas porque o pastor não havia se derramado em agradecimentos por causa de uma música especial que havia acabado de ser executada (não ministrada, executada). Aquilo que mais amamos é o que mais defendemos. Deveríamos parar de defender a nossa música e começarmos a defender as nossas igrejas dos ataques do mundo, da carne e do diabo. Devemos aprender a amar ao Senhor e à Sua igreja mais do que amamos a música, as nossas preferências e o nosso entretenimento. Devemos colocar a Cristo como o primeiro em nossa lista, e a Sua igreja deve ser honrada como Ele a honra. Precisamos aprender a “não amarmos o mundo” [I João 2:15]. Precisamos aprender a identificar as coisas do mundo, e evitá-las. Proponho os seguintes princípios para o uso da música em nossas igrejas:

Sete Razões Para Incluirmos a Música como Parte Importante dos Cultos na Igreja

1. A música é um meio de adoração e louvor. O salmista afirma: “Louvai ao Senhor! Louvai a Deus no seu santuário; louvai-o no firmamento do seu poder! Louvai-o pelos seus atos poderosos; louvai-o conforme a excelência da sua grandeza! Louvai-o ao som de trombeta; louvai-o com saltério e com harpa!” (Salmos 150-1-3). O Apóstolo João, em sua visão do céu, presenciou a hoste angelical louvando a Deus com música e cânticos: “Logo que tomou o livro, os quatro seres viventes e os vinte e quatro anciãos prostraram-se diante do Cordeiro, tendo cada um deles uma harpa e taças de ouro cheias de incenso, que são as orações dos santos. E cantavam um cântico novo, dizendo: Digno és de tomar o livro, e de abrir os seus selos; porque foste morto, e com o teu sangue compraste para Deus homens de toda tribo, e língua, e povo e nação; e para o nosso Deus os fizeste reino, e sacerdotes; e eles reinarão sobre a terra.” (Apocalipse 5:8-10).

2. A música é um canal eficaz da instrução bíblica. “A palavra de Cristo habite em vós ricamente, em toda a sabedoria; ensinai-vos e admoestai-vos uns aos outros, com salmos, hinos e cânticos espirituais, louvando a Deus com gratidão em vossos corações.” (Colossenses 3:16). Temos crianças em nossa igreja infantil que são tão pequenas que ainda não sabem ler, mas podem recitar as Escrituras, porque estiveram cantando cânticos das escrituras, direto do livro dos Salmos! Quando eu era garoto, aprendi os livros da Bíblia cantando-os, e aquele cântico ainda me vêm à memória hoje, quase cinqüenta anos mais tarde, quando preciso me lembrar da ordem dos livros da Bíblia!

3. A música é uma evidência de vidas cheias do Espírito. “E não vos embriagueis com vinho, no qual há devassidão, mas enchei-vos do Espírito, falando entre vós em salmos, hinos, e cânticos espirituais, cantando e salmodiando ao Senhor no vosso coração” (Efésios 5:18-19). Uma pessoa que se recusa a participar nos cânticos dos salmos, hinos e cânticos espirituais é uma pessoa que está demonstrando publicamente o fato de que não está preenchida com o Espírito Santo! Não estou dizendo que você tem que cantar bem, ou mesmo no tom. O Senhor, e toda a minha congregação, sabem que eu não consigo. Mas isso não me impede de cantar com toda a força dos meus pulmões a cada culto.

Eu tinha uma pianista que certa noite de domingo parou de tocar no meio da uma música e apenas olhou para mim. Eu perguntei o que havia de errado e ela disse, “Pastor, há 88 notas neste piano, e o senhor insiste em cantar entre elas!” Cerca de um mês mais tarde eu estava ensaiando para uma música especial, quando pedi a ela que tocasse no meu tom, e ela respondeu, “Sem problemas pastor, o seu tom é sempre fora do tom.” Eu estava gracejando com ela, quando pedi, uma quarta-feira à noite, para que tocasse minha canção favorita na tonalidade de Mi bemol, e ela me disse, “Que tal se eu tocar em Mi natural e deixar que o senhor abaixe o tom por sua própria conta?” Não é a qualidade da nossa voz que faz do cantar uma grande alegria, é o estar cheio do Espírito Santo!

4. A música é um veículo do culto cristão. “Celebrai com júbilo ao Senhor, todos os habitantes da terra. Servi ao Senhor com alegria, e apresentai-vos a ele com cântico”(Salmos 100:1-2). Nem todos podem ser pregadores. Nem todos pode ser diáconos. Nem todos estão qualificados para serem professores da Escola Dominical (4), mas cada um pode elevar o seu coração e a sua voz em cânticos de louvor a Deus durante o cântico congregacional.

5. A música é uma maneira apropriada para testificar e expressar a fé em Cristo. “Pela meia-noite Paulo e Silas oravam e cantavam hinos a Deus, enquanto os presos os escutavam. De repente houve um tão grande terremoto que foram abalados os alicerces do cárcere, e logo se abriram todas as portas e foram soltos os grilhões de todos. Ora, o carcereiro, tendo acordado e vendo abertas as portas da prisão, tirou a espada e ia suicidar-se, supondo que os presos tivessem fugido. Mas Paulo bradou em alta voz, dizendo: Não te faças nenhum mal, porque todos aqui estamos. Tendo ele pedido luz, saltou dentro e, todo trêmulo, se prostrou ante Paulo e Silas e, tirando-os para fora, disse: Senhores, que me é necessário fazer para me salvar?” (Atos 16:25-30). Aliás, não foi o cântico, mas o testemunho de Paulo e Silas no poder de Deus que converteu o coração do carcereiro. “Mas vós sois a geração eleita, o sacerdócio real, a nação santa, o povo adquirido, para que anuncieis as grandezas daquele que vos chamou das trevas para a sua maravilhosa luz;” (I Pedro 2:9).

Minha esposa tem uma linda voz. Nada toca mais o meu coração do que ouvi-la cantando antigos hinos do evangelho quando ela pensa que está sozinha. Um dia, no ano passado, eu estava ajudando um encanador, que é membro de nossa igreja, a instalar um novo aquecedor de água no apartamento missionário. Olhei em volta e ele não estava mais lá. Olhei para fora e o vi sentado sob a janela de nosso quarto. Ele estava sentado lá, na sombra, ouvindo a minha esposa cantando na casa. Sentei-me do lado dele e desfrutei a linda música que vinha daquela casa da residência pastoral.

6. A música é uma indicação de alegria. “Está aflito alguém entre vós? Ore. Está alguém contente? Cante louvores” (Tiago 5:13). Temo que nós, como povo, perdemos a nossa alegria. É muito mais provável sermos ouvidos em lamentos e reclamações do que cantando cânticos de alegria.

7. A música é uma fonte de conforto e encorajamento. “E quando o espírito maligno da parte de Deus vinha sobre Saul, Davi tomava a harpa, e a tocava com a sua mão; então Saul sentia alívio, e se achava melhor, e o espírito maligno se retirava dele.” (I Samuel 16:23). Quando o coração está pesado com os cuidados do mundo, que alegria é cantar um daqueles antigos cânticos do evangelho, falando de uma outra Pessoa que passou por sofrimentos e provações, mas emergiu vitorioso através da fé no Senhor.

Propósitos Específicos da Música no Culto

1. Ela ajuda a relaxar visitantes que podem estar tensos e/ou nervosos. Nada melhor para fazer com que os visitantes se sintam relaxados e à vontade do que ouvir antigos hinos do evangelho, os quais eles podem se lembrar desde a infância (5). Eles reconhecem a música e se lembram das coisas simples da infância, e seu estado mental se torna muito mais receptivo para ouvir a mensagem sendo pregada.

2. Ela prepara os corações do povo de Deus para o ministério da Palavra. O povo de Deus é como quaisquer outras pessoas, quando se trata das pressões de um mundo preocupado com o trabalho quotidiano. Eles acordam tarde, tem problemas para vestir os filhos, lutam com o trânsito no caminho até a igreja e podem estar sentindo qualquer coisa, menos espiritualidade quando chegam ao estacionamento no Domingo pela manhã (6). Mas quando eles entram e abrem seus hinários, a elevam as suas vozes em cânticos de louvor ao Senhor, seus pensamentos são focados no Senhor e em tudo o que Ele tem feito por eles, estabelecendo neles a mentalidade correta para a pregação da Palavra de Deus.

3. Ela prepara o coração do pregador para a pregação da Palavra de Deus. Música é adoração. Os pregadores precisam adorar a Deus como qualquer outra pessoa. Há não muito tempo atrás, tive um pregador convidado para fazer uma série especial de reuniões com os membros da nossa igreja e, enquanto o restante da congregação estava cantando, olhei e vi que o pregador convidado não estava com o seu hinário aberto mas, em vez disso, estava estudando as suas anotações para o sermão. Depois que o cântico acabou, e me inclinei e perguntei a ele por que não estava cantando. Ele disse que precisava de uma repassada final na sua mensagem. Eu lhe disse que os momentos para estudo (e oração) eram antes de subir à plataforma e que, se ele não estava pronto para pregar, só precisava me dizer e eu chamaria alguém que estivesse pronto!

4. Ela encoraja a congregação a tomar as necessárias decisões espirituais. O cântico congregacional pode ser tão importante em preparar o povo de Deus para tomar as necessárias decisões quanto o apelo é importante em encorajá-los a demonstrar isso publicamente.

Parâmetros para a Escolha e Utilização da Música

“Ora, até as coisas inanimadas, que emitem som, seja flauta, seja cítara, se não formarem sons distintos, como se conhecerá o que se toca na flauta ou na cítara?” (I Coríntios 14:7)

1. Letra – As palavras da músicas que cantamos são muito importantes. “Quanto ao mais, irmãos, tudo o que é verdadeiro, tudo o que é honesto, tudo o que é justo, tudo o que é puro, tudo o que é amável, tudo o que é de boa fama, se há alguma virtude, e se há algum louvor, nisso pensai” (Filipenses 4:8). Desta forma, é muito importante atualmente que sejamos cuidadosos na seleção de músicas que tenham em si boas doutrinas bíblicas. Muitos hoje em dia que se denominam Batistas (7) estão abandonando os antigos hinos da nossa fé em favor da teologia amorfa e indefinida do movimento ecumênico da era moderna. Eu até ouvi falar de uma igreja batista que parou de cantar o hino “Rude Cruz” porque a terceira estrofe diz [no original, em Inglês]: “na velha e rude cruz, manchada com o sangue divino, vejo uma maravilhosa beleza”; e esta igreja e seu ímpio pastor não acreditam mais no sangue literal de Cristo!

O que a canção diz? Qual é a mensagem? Este é um cântico de louvor ao Senhor, ou um cântico de orgulho e vanglória do eu? Conte o número de vezes que as palavras “eu” e “mim” são usados e a quantidade de referências a Deus, Pai, Cristo e Senhor. Quem está sendo glorificado por esta canção, o Senhor ou o cantor?

As palavras são uma força para Deus (justificação) ou para o eu (pecado)? “A justiça exalta as nações; mas o pecado é o opróbrio dos povos” (Provérbios 14:34). Mais abaixo, falaremos mais a respeito das letras de nossas canções.

2. Estilo de vida e testemunho dos autores e/ou executantes.“Quem anda com os sábios será sábio; mas o companheiro dos tolos sofre aflição” (Provérbios 13:20). “Raça de víboras! como podeis vós falar coisas boas, sendo maus? pois do que há em abundância no coração, disso fala a boca” (Mateus 12:34). “Rogo-vos pois, irmãos, pela compaixão de Deus, que apresenteis os vossos corpos como um sacrifício vivo, santo e agradável a Deus, que é o vosso culto racional. E não vos conformeis a este mundo, mas transformai-vos pela renovação da vossa mente, para que experimenteis qual seja a boa, agradável, e perfeita vontade de Deus” (Romanos 12:1-2). “Abstende-vos de toda espécie de mal” (I Tessalonicenses 5:22).

O estilo de vida e o testemunho dos autores e/ou executantes está em harmonia com a Palavra de Deus? Recentemente assisti a uma conferência de pregadores, onde uma distinta senhora cristã com um alinda voz levantou-se para cantar uma música especial. A música cantada por ela havia sido escrita e gravada por um neo-evangélico carismático bem conhecido, com um estilo de vida questionável. Depois da reunião, aproximei-me do pastor que era seu marido e lhe perguntei se ele sabia quem havia escrito e gravado a música que a sua esposa havia acabado de cantar. Ele disse que sim e então eu perguntei se ele convidaria aquele homem para cantar em sua igreja. Ele respondeu que não convidaria. Então, eu lhe disse que aquele homem havia acabado de cantar em sua igreja, através de um substituto! Devemos guardar as nossas igrejas contra a invasão do mundo, da carne e do Diabo, seja em pessoa, ou através de substitutos!

O que os autores e/ou executantes pensam de Jesus Cristo? “Que pensais vós do Cristo? De quem é filho? Responderam-lhe: De Davi” (Mateus 22:42). “Porque já muitos enganadores saíram pelo mundo, os quais não confessam que Jesus Cristo veio em carne. Tal é o enganador e o anticristo. Olhai por vós mesmos, para que não percais o fruto do nosso trabalho, antes recebeis plena recompensa. Todo aquele que vai além do ensino de Cristo e não permanece nele, não tem a Deus; quem permanece neste ensino, esse tem tanto ao Pai como ao Filho. Se alguém vem ter convosco, e não traz este ensino, não o recebais em casa, nem tampouco o saudeis. Porque quem o saúda participa de suas más obras” (II João 7-11). Muitas igrejas que foram, certa vez, “fundamentalistas” perderam a suas características distintivas e, como resultado, não receberão a “plena recompensa” quando se assentarem no juízo de Cristo. Muitas das canções de hoje são escritas visando lucro, e os executantes fazem uma “ponte” com a música secular, como uma forma de ganhar mais das riquezas do mundo. Quando usamos suas músicas em nossas igrejas, nos tornamos “participa(ntes) de suas más obras”.

3. Efeito sobre os ouvintes. Esta música leva os ouvintes a darem glória a Deus ou ao executante? “Ou não sabeis que o vosso corpo é santuário do Espírito Santo, que habita em vós, o qual possuís da parte de Deus, e que não sois de vós mesmos? Porque fostes comprados por preço; glorificai pois a Deus no vosso corpo” (I Coríntios 6:19-20). “Não vos enganeis. As más companhias corrompem os bons costumes” (I Coríntios 15:33).

O que esta canção motiva as pessoas a fazerem ou a serem? Esta canção leva os ouvintes a desejarem se tornar mais próximos do Senhor e mais semelhantes a Cristo, ou está meramente os entretendo?

Esta seleção [de músicas] pode ser usada como um veículo de crescimento e bênçãos em Cristo? “antes crescei na graça e no conhecimento de nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo. A ele seja dada a glória, assim agora, como até o dia da eternidade” (II Pedro 3:18). Os ouvintes se tornarão melhores cristãos depois de ouvir a esta canção?

4. Propriedade.“Tudo tem a sua ocasião própria, e há tempo para todo propósito debaixo do céu” (Eclesiastes 3:1).

Esta seleção musical é apropriada para este culto ou ocasião? É muito importante que a música da igreja seja apropriada para o culto no qual está sendo cantada. Nos Domingos pela manhã é quando temos o maior número de visitantes presentes. Nosso objetivo é ganhá-los para Cristo e, então, damos ênfase à música que se relaciona bem com os que não estão salvos e não fazem parte da igreja. A música especial fornece um testemunho simples ou uma mensagem a respeito do amor e do poder salvador de Cristo. Limitamos os cânticos congregacionais aos às músicas mais conhecidas, mais rápidas. Em nossos cultos vespertinos temos um maior número de nossos pessoal da igreja, então a nossa ênfase musical ministra às necessidades e aos corações dos crentes. O cântico congregacional de coros e hinos de júbilo e cânticos do evangelho é enfatizada. A música especial enfatiza o louvor e o encorajamento (8).

Esta música está de acordo com a “Filosofia do Ministério” (9) da igreja, na área do culto? “Mas faça-se tudo decentemente e com ordem” (I Coríntios 14:40). Um dos problemas que encontro com freqüência nos pregadores com relação à sua filosofia do ministério é que ele não possuem uma. Se devemos fazer “tudo decentemente e com ordem”, é melhor nos organizarmos e colocarmos no papel os nossos princípios básicos e a nossa filosofia, de forma a nos ajudar a organizar os nossos ministérios e termos um documento em mãos para um visitante que pergunte “Quais são os princípios da tua igreja, afinal de contas? O que vocês crêem, e como pretendem colocar essas crenças em prática?” Uma filosofia do ministério escrita responderá uma grande parte dessas questões, bem como fornecerá aos auxiliares parâmetros para serem seguidos e, em caso de morte ou saía do pastor, seus diáconos ou comissão de púlpito terá um conjunto de parâmetros para seguir ao entrevistarem e selecionarem um novo pastor (10).

Parâmetros Básicos para Música

Os parâmetros que se seguem fornecerão um ponto de partida, a partir do qual deve ser construído um ministério musical separado em tua igreja.

1. Músicas para solos, duetos, etc. devem vir do hinário; dos volumes 1 a 6 [da coleção] “Favorites”, [editados pela] Singspiration; mas não os volumes 7 a 10, que exigem mais discernimento, tanto doutrinário quanto musical; também [as coletâneas] Praises I e Praises II da [editora] Majestic Music de Greenville, Carolina do Sul (11).

2. Como regra geral, evite o uso de acompanhamentos gravados (play-backs). Seus pontos fracos são os seguintes:

  1. Elimina a utilização de pessoas. Música é um ministério, a adoração e o serviço ao Senhor em cânticos. As pessoas adoram e servem ao Senhor, e não a máquinas! Tenho conversado com meus músicos, e eles querem servir ao Senhor. Como o pastor se sentiria, se uma gravação de algum grande evangelista fosse tocada, em vez de deixá-lo pregar a mensagem que Deus lhe deu? Talvez o problema é que os pregadores (e, muito freqüentemente, ministros de música) crêem que o seu serviço ao Senhor é mais importante do que o de outras pessoas. Eu não pediria à minha pianista que se assentasse e ouvisse música enlatada, da mesma forma que não pediria ao meu líder de cânticos que se assentasse e deixasse uma máquina de karaokê dirigisse o cântico congregacional, nem estaria disposto a me sentar e deixar que uma gravação de algum grande evangelista assumisse o lugar da minha área de atuação no culto, a pregação.
  2. A maior parte das gravações soa muito sensual (apelam à carne). Lembre-se, aquilo que você gosta, o que apela a você, não pode ser usado como critério. Se algo apela ao teu ouvido, lembre-se sempre, o ouvido é carne!
  3. Praticamente todas as gravações são feitas por músicos mundanos ou comprometidos [com o mundo]. Um amigo certa vez me disse que este não é um bom argumento porque “você também não sabe quem construiu o teu piano, mas você o usa.” Não estamos falando do instrumento, estamos falando acerca da música que é produzida por uma pessoa tocando o instrumento. Eu não permitiria que fosse tocada uma gravação feita por um músico perdido ou comprometido [com o mundo], da mesma forma que também não convidaria um músico mundano ou comprometido [com o mundo] a tocar o piano ao vivo.
  4. A maior parte das gravações enfatiza o ritmo, mais do que a melodia. [Falaremos] mais disso adiante.

O uso de gravações não deixa espaço para a interpretação musical. Você estará preso a qualquer coisa que esteja gravada. Se há uma parte questionável, você pode ser tentado a ir em frente e usá-la, começando desta forma um padrão de comprometimento que terminará na destruição das tuas convicções bíblicas.

NOTA: Tenho sido criticado por alguns bons homens por não utilizar acompanhamentos gravados. As pessoas me dizem, “Isto não é uma convicção [teológica], é apenas preferência pessoal, porque não existe verso algum nas escrituras proibindo o uso de gravações!” Também não existe um único verso nas escrituras que proíba fumar cigarros, mas tenho uma convicção (e não apenas uma preferência) contra fazer isso. Esta é uma convicção minha, não uma preferência. Ela é baseada em princípios bíblicos, e estes princípios nunca mudam. Mundanismo é pecado. Quando condenamos o mundanismo em nossas igrejas é porque é pecado. Os sons do mundo, os estilos do mundo, os motivos do mundo e o sistema de aprovação do mundo, todos eles estão presentes em quase todas as gravações de hoje em dia. Eu não as usarei. Esta é uma convicção. Não é uma preferência. Se eu as usasse, isto seria pecado.

3. Planeje a música especial com cerca de um mês de antecedência, de forma a que os músicos tenham tempo para ensaiar. Isto irá melhorar imensamente a qualidade. Sob circunstâncias normais é tarde demais dar ou receber avisos no sábado que precede ao culto do domingo (12).

Critérios Para a Avaliação Musical

1. Letra: A letra da música deve ser doutrinariamente correta. A maior parte das músicas evangélicas contemporâneas tem mensagens muito superficiais. Há uma ênfase exagerada em “amor” e “natureza”. Certifique-se de cantar de forma equilibrada entre músicas evangélicas e hinos. Minimize o uso de cânticos experimentais (cânticos que se concentram em nós e em nossas experiências tais como aquelas que são usadas tão amplamente pelos pentecostais e carismáticos.) e maximize o uso de músicas que se concentram no Senhor.

2 . Melodia: A melodia deve ser forte e clara. A música contemporânea faz uso de lugaduras e portamentos entre os tons, um recurso ornamental que chama a atenção para o executante, em vez de destacar a mensagem. Uma melodia forte levará a um clímax principal e possivelmente a vários clímax secundários. A chave é a variedade. O portamento entre os tons destrói a melodia clara e produz um som de “música country” ou de “música pop”.

3. Harmonia: A harmonia deveria demonstrar alguma habilidade criativa por parte do compositor/arranjador. Evite música que não tem resolução; que exagera no uso de clusters de acordes (os clusters destroem a tonalidade, que deve ser absoluta); que utiliza notas de “blues”, como as encontradas na música “rhythm and blues”. Estes pontos são difíceis de serem avaliados de forma objetiva por não-músicos.

4. Ritmo: O ritmo é uma parte vital da música, mas não deveria dominá-la. Deve haver uma acentuação natural no ritmo. UM-dois-TRÊS-quatro. Os acentos devem cair nos tempos fortes. A música rock acentua os tempos fracos e as partes fracas de um tempo (um-DOIS-três-QUATRO). Não use música que incorpora muitas síncopes. A síncope é uma alteração não natural do acento para os tempos fracos ou as partes fracas do tempo. A síncope cria tensão. Um uso exagerado da síncope chamará a atenção para o executante e a música e distrairá [a atenção] da mensagem. Uma batida constante, impulsionadora, causa tensão. O ritmo não deveria dominar a melodia.

5. Forma: A forma existe para apresentar a música [de uma maneira] lógica e compreensível. Uma falta de variedade na forma é um elemento de tensão. A repetição da melodia, harmonia ou ritmo deve demonstrar criatividade.

Parâmetros para Execução

  1. Não use microfones de mão. A maior parte das pessoas não são bem treinadas no uso de microfones manuais e os seguram na frente do rosto, ou colados na boca, confiando no microfone para encobrir uma voz fraca ou a falta de treinamento [vocal], produzindo assim um som mundano, sensual, “assoprado”.
  2. A técnica de execução deveria atrair a atenção à mensagem da música que está sendo cantada e não ao corpo do executante.
  3. Solos, duetos, trios e quartetos deveriam cantar atrás do púlpito, Este procedimento força a congregação a voltar a sua atenção para os rostos dos cantores, em vez de seus corpos.
  4. Evite movimentos corporais desnecessários, os quais eclipsariam da mensagem da música. Gestos simples, planejados da mão devem ser usados com parcimônia. Qualquer movimento corporal irá acrescentar algo ou diminuir a tua capacidade de comunicação. Fique quieto! Você não está lá em cima para fazer um show de canto e dança!

Muitas das técnicas e música usadas pelos cantores evangélicos contemporâneos desenvolveram-se a partir da filosofia de que não existem absolutos na vida e isso inclui a música. Não devemos ser influenciados pelos padrões e exemplos das músicos evangélicos que copiam as técnicas de execução e as formas musicais do mundo. A música [no culto] não existe para entreter, mas, em vez disso, para falar ao coração em preparação para a mensagem da Palavra de Deus, para trazer as pessoas ao lugar da decisão.

Efésios 5, dos versos 10 a 17 nos dá cinco princípios bíblicos para desenvolvermos a nossa filosofia de música:

10 provando o que é agradável ao Senhor;
11 e não vos associeis às obras infrutuosas das trevas, antes, porém, condenai-as;
12 porque as coisas feitas por eles em oculto, até o dizê-las é vergonhoso.
13 Mas todas estas coisas, sendo condenadas, se manifestam pela luz, pois tudo o que se manifesta é luz.
14 Pelo que diz: Desperta, tu que dormes, e levanta-te dentre os mortos, e Cristo te iluminará.
15 Portanto, vede diligentemente como andais, não como néscios, mas como sábios,
16 usando bem cada oportunidade, porquanto os dias são maus.
17 Por isso, não sejais insensatos, mas entendei qual seja a vontade do Senhor.

Primeiro, prove o que é aceitável ao Senhor (verso 10). Devemos provar o que é aceitável ao Senhor a partir da Sua Palavra, não pelo que gostamos ou deixamos de gostar. Lembre, a música apela ao ouvido, e o ouvido é carne!

Segundo, não tenha nada a ver com aquilo que não tem nada a ver com o Senhor (verso 11).

  1. a música rock é infrutífera. Ou mesmo “anti-frutífera”. Mais jovens tem sido destruídos pela música rock e desviados pela sua assim chamada contra-parte, a “música cristã contemporânea” do que por todas as bebidas e drogas da face da terra.
  2. A música rock é a obra das trevas. Nós, como povo de Deus, somos ordenados a “andar na luz”!

Terceiro, [a música sacra deve contrastar com a música mundana (versos 12 e 13). Não podemos ser cúmplices com as práticas, estilos e técnicas do mundo. Ao contrário, a música usada no culto deve tornar manifestas as obras das trevas, guiando e influenciando o povo de Deus no caminho da luz.

Quarto], seja um cristão com discernimento (versos 14 e 15).

  1. Um tolo, se afasta de Deus o máximo que ele consegue, e ainda se sente confortável. Pare de pensar que está tudo bem, contanto que você não “ultrapasse a linha”. Nós não deveríamos estar nem perto da linha, deveríamos estar tão longe dela quanto possível!
  2. Um homem sábio se aproxima de Deus e fica ali!
[Quinto], tenha interesse na vontade de Deus (verso 17). Freqüentemente ficamos nos preocupando se a congregação irá gostar do ministério da música, ou se os visitantes irão gostar [da música], ou se o evangelista convidado ficará impressionado com a nossa música especial, ou se ela irá apelar para aquelas pessoas novas que estão tentando se juntar à igreja. Espere um minuto! E a vontade de Deus? Vamos nos interessar mais no que Ele gosta, descobrir o que está no centro da Sua perfeita vontade, e todo o resto funcionará a contento.

Resumo da nossa Filosofia de Música

[Continuaremos analisando o capítulo 5 de Efésios, nos versos 18 a 21:

18 E não vos embriagueis com vinho, no qual há devassidão, mas enchei-vos do Espírito,
19 falando entre vós em salmos, hinos, e cânticos espirituais, cantando e salmodiando ao Senhor no vosso coração,
20 sempre dando graças por tudo a Deus, o Pai, em nome de nosso Senhor Jesus Cristo,
21 sujeitando-vos uns aos outros no temor de Cristo.]

1. O MENSAGEIRO da nossa música é importante (ele ou ela deve estar cheio do Espírito (verso 18)).

  1. não orientado [em direção] às pessoas, mas
  2. orientado em direção a Deus

2. O MOVIMENTO da nossa música é importante (verso 19).

  1. Não em direção às pessoas mas,
  2. Voltados para cima, em direção ao Senhor.

NOTA: Tenho notado em várias igrejas boas, nas quais estive nos últimos anos, uma tendência crescente a aplaudir ao final da uma música especial (13). O dicionário Websters define o aplauso como “aclamar, aprovar, honrar, ou louvar, através do bater das mãos.” Apocalipse 5:12 diz, “…Digno é o Cordeiro, que foi morto, de receber … honra, e glória…” Se prestamos tal honra e glória a uma pessoa, primeiro devemos tirá-las daquEle que é Digno. Devemos sempre dirigir a nossa honra e glória e louvor para cima, para o Senhor e não para as pessoas. O grande perigo de ensinar o povo de Deus a se expressar desta forma leva a perigos ainda maiores.

Estive em uma conferência de pregadores em uma igreja que expressava a sua apreciação pela música especial através do aplauso. Tornou-se um hábito tão arraigado aplaudir (em vez de dizer “Amém”, ou Glória”, ou “Aleluia”) que quando um jovem pregador terminou a sua mensagem, o povo aplaudiu! Eles aplaudiram como se tivessem sido entretidos por um poeta inteligente ou um contador de histórias interessantes! Tais coisas nunca deveriam acontecer na Casa de Deus. Em pouco tempo as pessoas estarão pensando na pregação da Palavra de Deus como um mero entretenimento, interrompendo a pregação com aplausos, em vez de dizer “Amém”.

3. O MOTIVO da nossa música é importante (verso 20).

  1. Lucro, fama, sucesso, reconhecimento, ou
  2. Ações de graças e louvor

4. O ESTILO da nossa música é importante (verso 21).

  1. submetendo-se uns aos outros
  2. no temor do Senhor

5. A METICULOSIDADE da nossa música é importante (verso 20).

  1. Doutrina é de importância fundamental se a nossa música deve ser “a Deus, o Pai, em nome de nosso Senhor Jesus Cristo.”
  2. “Vinde, pois, e arrazoemos, diz o Senhor” – Isaías 1:18
  3. Vinde pois, e concordemos que Deus é bom!

Conclusão

Devemos elevar o nosso padrão, que é a Palavra de Deus. “Assim diz o Senhor Deus: Eis que levantarei a minha mão para as nações, e ante os povos arvorarei a minha bandeira; então eles trarão os teus filhos nos braços, e as tuas filhas serão levadas sobre os ombros” (Isaías 49:22).

Devemos manter uma diferença entre o mundo e a igreja. “Os seus sacerdotes violentam a minha lei, e profanam as minhas coisas santas; não fazem diferença entre o santo e o profano, nem ensinam a discernir entre o impuro e o puro; e de meus sábados escondem os seus olhos, e assim sou profanado no meio deles” (Ezequiel 22:26). “Ora, até as coisas inanimadas, que emitem som, seja flauta, seja cítara, se não formarem sons distintos, como se conhecerá o que se toca na flauta ou na cítara?” (I Coríntios 14:7). “não somente para fazer separação entre o santo e o profano, e entre o imundo e o limpo” (Levítico 10:10). “para fazer separação entre o imundo e o limpo, e entre os animais que se podem comer e os animais que não se podem comer” (Levítico 11:47)

Existe muita música boa disponível hoje em dia para ser utilizada em nossas igrejas. Por que é que com tanta freqüência nós vamos ao mundo, aos artistas do mundo, e à filosofia de música do mundo, em busca de uma música que é utilizada em igrejas Batistas (14) que de outra forma seriam boas, sólidas e fundamentalistas? Acredito que seja porque temos sido tão inundados pela música do mundo que já não notamos mais quão má ela realmente é. Assistimos à televisão e virtualmente cada comercial é acompanhado por música rock. Ouvimos o rádio enquanto dirigimos e quase todos os programas são acompanhados por música rock. Mesmo o programa secular de rádio mais popular entre os cristãos na América, Rush Limbaugh, é acompanhado pela música rock alta e estridente. Perdemos nossa sensibilidade à música do mundo e por causa desta perda de sensibilidade, falhamos em manter aquela influência fora de nossas igrejas.

Pastoreio uma igreja na qual cerca da metade dos membros faz parte do pessoal ativo da Marinha. Dois dos meus pastores associados são ex-marinheiros. Meu diretor da Academia é um ex-marinheiro. Três dos meus diáconos são marinheiros de carreira. Estes homens da Marinha compreendem um princípio muito básico. Os navios são projetados para operar na água, mas espera-se que a água não entre no navio. Deus ajude o navio que deixar que a água entre. Nossas igrejas “estão no mundo, mas não são do mundo”. Espera-se que nossas igrejas funcionem no mundo, mas Deus nos ajude se deixarmos o mundo entrar em nossas igrejas.

Pense nisto!


Notas dos editores do Música Sacra e Adoração:

(1) Publicado por: First Baptist Church Publications 8758 Troy Street Spring Valley, CA 91977. Todas as citações bíblicas são da versão Almeida Revista e Corrigida. As expressões entre colchetes [] não estão no original e foram acrescentadas pelos editores do Música Sacra e Adoração, visando tornar a tradução mais clara.

(2) Esta controvérsia não está restrita à denominação citada, mas ocorre em todas as denominações que conhecemos, especialmente na Igreja Adventista do Sétimo Dia

(3) Evidentemente, a música à qual o autor se refere durante todo o artigo é a Música Sacra, e não a música como arte em geral.

(4) O autor, sendo Batista, cita a Escola Dominical, mas o mesmo se aplica à Escola Sabatina da IASD.

(5) Esta é uma realidade do contexto social americano onde, sendo um país eminentemente protestante, as crianças eram criadas com valores evangélicos, mesmo que por conveniência social. Embora isto tenha, em grande parte, se perdido com a secularização da sociedade, ainda é verdade para as pessoas de meia idade.

(6) Assim como a observação 4, o autor está falando da sua realidade como Batista e esta é a razão para citar o Domingo. Porém, todas as suas afirmações podem ser aplicadas às famílias que vão à igreja no Sábado pela manhã.

(7) Conforme já observamos, o autor, sendo Batista, está falando com relação à sua denominação. As mesmas afirmações podem ser feitas com relação aos Adventistas do Sétimo Dia.

(8) Mais uma vez o autor fala, neste parágrafo, de sua realidade como Batista. Na igreja Adventista do Sétimo Dia, temos um maior número de visitas nos cultos evangelísticos de Domingo à noite, enquanto que o maior número de membros da igreja está presente nos Sábados pela manhã.

(9) As igrejas Adventistas do Sétimo Dia não possuem uma “Filosofia do Ministério”. Mas possuímos um documento oficial da Associação Geral, aprovado e ampliado pela Divisão Sul Americana, intitulado “Filosofia Adventista de Música“, e que deve ser conhecido por todos os adventistas envolvidos neste ministério.

(10) Os procedimentos descritos aqui não se aplicam à IASD, pois são procedimentos específicos das denominações congregacionalistas, como a igreja Batista.

(11) Evidentemente, estes exemplos foram simplesmente traduzidos do texto original, e não devem ser tomados como recomendação dos editores do Música Sacra e Adoração.

(12) Mais uma vez, o autor fala da realidade Batista. Para os Adventistas do Sétimo Dia, o dia que precede ao dia de culto é a sexta-feira.

(13) Felizmente, este costume já bastante arraigado nos Estados Unidos ainda não é visto comumente no Brasil.

(14) Ou Adventistas, ou de qualquer outra denominação.


Fonte: http://thomascassidy.tripod.com

Traduzido por Levi de Paula Tavares em Dezembro/2005

Autor: Dr. Thomas Cassidy 

Sobre Weleson Fernandes

Weleson Fernandes
Escritor & Evangelista da União Central Brasileira

Verifique também

Música Cristã Contemporânea x Adoração

Em um ensaio anterior, intitulado “As Duas Principais Armas do Cristão e Como Satanás Está Trabalhando …

Música: do Divino ao Maligno

Entre as perguntas que Deus fez a Jó, registradas nesse livro, que é o mais …

Música Cristã: Os Fins, Os Meios e A Missão

Na dinâmica do mundo moderno há uma pergunta sempre recorrente: como tornar o evangelho de …

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: