Ser Mãe: Missão Sagrada

Uma das mais belas homenagens é a que se presta às mães, no segundo domingo de maio. Mãe — quanta tinta já não foi usada para descrever esta palavra!

Tudo começou com Anne Jarvis. No dia 9 de maio de 1906, essa moça perdera a mãe, a quem muito amava. Ao comemorar o primeiro aniversário da morte de sua genitora, Anne lhe prestou sentida homenagem. Entretanto, achou que todas as mães, vivas ou mortas, deveriam ser homenageadas. Assim, tomou a iniciativa de escrever uma carta ao governador de West Virginia, Estados Unidos, sugerindo que ele organizasse anualmente uma comemoração especial em homenagem às mães. O Sr. William Glasscock gostou da idéia. Deste modo, já em 1910, baixou um decreto, instituindo oficialmente o “Dia das Mães”, naquele Estado. Como homenagem a Anne, que dera a sugestão, o governador determinou que as comemorações se realizassem no segundo domingo de maio, data mais próxima da morte da mãe de Anne.

Em 1914, a comemoração  se havia estendido pelo país todo, levando o então Presidente Woodrow Wilson a baixar um ato, oficializando o “Dia das Mães” em todo o território norte-americano. Em 1918, a comemoração chegou ao Brasil, sendo realizada pela primeira vez em Porto Alegre, numa iniciativa de moças e senhoras, sob o patrocínio da Associação Cristã de Moços da capital gaúcha. Somente em 1932, o Presidente Getúlio Vargas baixou o Decreto – lei nº 21.366, de 5 de maio, determinando a comemoração oficial do “Dia das Mães” em todo o País .

A iniciativa é, portanto, louvável. E a homenagem, justa e merecida, visto que o papel desempenhado pela mãe é importantíssimo no contexto da sociedade humana.

Há, porém, MÃES e mães.

MÃES são aquelas que se preocupam com a transmissão da herança religiosa a seus filhos.

MÃES são aquelas que educam a criança no caminho do Senhor, buscando na Palavra eterna as diretrizes para uma vida plena e útil.

MÃES são aquelas que, de manhã e à noite, alimentam os filhos com o pão do Céu. Para elas, “o reino de Deus e a Sua justiça” têm primazia.

MÃES são aquelas que, diante dos problemas da vida, dobram os joelhos para buscar a solução do Céu.

MÃES são aquelas que, desprezando muitas vezes as delícias de um passeio ou qualquer outro entretenimento, ficam junto dos filhos para lhes amparar os passos neste mundo mau.

MÃES são aquelas que se preocupam em viver de maneira simples e modesta, procurando dar um exemplo digno de imitação. São aquelas que, rejeitando os artificialismos tão em voga em nossos dias, se contentam com as graças da vida cristã.

Enfim, MÃES são aquelas que, à semelhança de Joquebede e Eunice, preparam os filhos para esta e para a vida vindoura.

Já mães (com letras minúsculas) são aquelas que se relacionam com os filhos tão – somente por elos meramente físicos e materiais, sem nenhuma conotação moral e espiritual.

O mundo está cheio de “mães artificiais”, produto de uma sociedade de consumo, massificadora. O mundo, lá fora, está cansado de mães sem afeto, sem carinho, sem o temor de Deus, sem nada. Mães que preferem uma vida existencialista; mães que preferem o sabor de frutos proibidos.

O arraial de Deus não deve dar lugar a esse tipo de mãe. O que diríamos da mãe ausente? É triste ver como muitas mães se afastam do lar, fugindo aos deveres domésticos e às responsabilidades para com os filhos! Pobres crianças! Todos sabemos que, nos primeiros anos, a criança assimila muito daquilo que lhe vai nortear o caráter através da vida. É nos primeiros anos que se lança a semente de uma personalidade sadia e consequente.

No arraial de Deus não deve haver mães negligentes quanto ao altar da família. Quanta mãe moderninha já não aposentou o estudo da lição e a leitura da Palavra de Deus! Muitas delas estão preocupadas com novelas e contos fantasiosos. “Já é hora de ir para a cama, menino” dizem muitas mães, mais interessadas no enredo da novela do que no diálogo com os filhos.

Hoje em dia, quanta mãe preocupada com o “chá das cinco”! Quanta mãe interessada em conversas frívolas!

No arraial de Deus não há lugar para mães moderninhas, “pra frente”, na “crista da onda”. Não, não há lugar.

A verdade é que muitos filhos estão perdendo o contato com as coisas eternas porque muita mãe por aí relegou a plano secundário sua nobre missão no mundo. Muitos filhos teriam destino diferente, se as mães moderninhas deixassem de preocupar-se apenas com as sobrancelhas, com o esmalte das unhas, com os cosméticos.

A maior herança que a verdadeira mãe em Israel deixa para seus filhos, é a religião prática. A transmissão da herança religiosa está sofrendo solução de continuidade em muitos lares, por causa de mães moderninhas.

Temos, felizmente, muitas mães em Israel ainda. Deus saberá recompensá-las. A Igreja também saberá aquilatar-lhes o trabalho dedicado.

Louvemos ao Senhor neste mês, exaltando a elevada missão das verdadeiras mães em Israel. E nós, filhos, saibamos honrar essas autênticas colunas da Igreja: as MÃES.

Texto Publicado na Revista Adventista de Maio de 1977.

Sobre Weleson Fernandes

Weleson Fernandes
Escritor & Evangelista da União Central Brasileira

Verifique também

Poema para o Dia das Mães

Obrigado Senhor! Obrigado , Senhor , pela mãe que você me deu … … por …

Homenagem ao dia das Mães ( Vídeo )

Dia das Mães: Desenhos para Colorir !

BAIXAR COMPLETO

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: