Este é o dia…

“A Pedra que os construtores rejeitaram, essa veio a ser a principal Pedra, angular; isto procede do SENHOR e é maravilhoso aos nossos olhos. Este é o dia que o SENHOR fez; regozijemo-nos e alegremo-nos nele.” (Salmos 118:22-24)

Baseados no trecho do verso 24, “este é o dia que o SENHOR fez“, os opositores do quarto mandamento criaram a capciosa afirmativa de que isso seria uma referência ao “primeiro dia da semana” e estaria relacionada com a ressurreição de Jesus. Esta interpretação tão somente comprova o irrisório e frágil conhecimento bíblico por parte de seus elaboradores e, daqueles que a sustentam. O objetivo principal para tal alegação é tentar justificar o desprezo premeditado quanto a observância sabática.

Salmos 118:22-24 pertencem a uma profecia que esta associada a um incidente histórico ocorrido durante a construção do templo de Salomão:

“Ao ser erigido o templo de Salomão, as imensas pedras para as paredes e os fundamentos foram inteiramente preparadas na pedreira; depois de serem levadas para o local da construção, nenhum instrumento devia ser nelas utilizado; os obreiros só tinham que as colocar em posição. Fora trazida para ser empregada nos fundamentos uma pedra de dimensões extraordinárias, e de singular feitio; mas os construtores não conseguiam achar lugar para ela e não a queriam aceitar. Era-lhes um estorvo, jazendo para ali, sem utilidade.

Por muito tempo assim ficou como pedra rejeitada. Mas, ao chegar a ocasião de colocar a pedra angular, procuraram por muito tempo uma de tamanho e resistência suficientes e do devido formato, para ocupar aquele lugar e suportar o grande peso que sobre ela repousaria. Fizessem uma imprudente escolha para esse importante lugar, colocariam em risco a segurança de todo o edifício. Deveriam encontrar uma pedra capaz de resistir à influência do Sol, da geada e da tempestade. Várias pedras foram escolhidas, diversas vezes, mas, sob a pressão de imensos pesos, haviam-se despedaçado. Outras não puderam suportar a prova das súbitas mudanças atmosféricas. Afinal, a atenção dos construtores foi atraída para a pedra por tanto tempo rejeitada.

Ficara exposta ao ar, ao Sol e à tempestade, sem apresentar a mais leve fenda. Os edificadores examinaram essa pedra. Suportara todas as provas, menos uma. Se pudesse resistir à prova de vigorosa pressão, decidir-se-iam a aceitá-la para pedra angular. Foi feita a prova. A pedra foi aceita, levada para o lugar que lhe era designado, verificando-se a ele ajustar-se perfeitamente. Em profética visão, foi mostrado a Isaías que essa pedra era um símbolo de Cristo.”1, 2

Assim como a “pedra angular” descrita por Davi deveria “suportar o grande peso que sobre ela repousaria”, Cristo de igual modo o fez com os nossos pecados (Isaías 53:3-4). O rei Davi e o profeta Isaías descrevem o dia em que a Pedra angular (Jesus Cristo), embora rejeitada pelo homem, seria enaltecida pelo SENHOR e estabelecida como a única base de sustentação para o pecador arrependido. Em Sua humilhação, Cristo foi desprezado e recusado, mas ao ser glorificado Se transformou em cabeça de todas as coisas, tanto no Céu como na Terra (Efésios 1:22-23).

A exaltação de Cristo não é obra humana. Mas provém de Deus, que “O exaltou sobremaneira” (Filipenses 2:5-11). Paulo vivendo em uma época em que essa profecia já havia se cumprido, declarou: “Porque Ele diz: Eu te ouvi no tempo da oportunidade e te socorri no dia da salvação; eis, agora, o tempo sobremodo oportuno, eis, agora, o dia da salvação.” (II Coríntios 6:2).

O patriarca Abraão, assim como Davi, contemplou o contínuo trabalho de salvação que Cristo desempenha em favor da humanidade (cf João 5:17):

“Abraão, vosso pai, alegrou-se por ver o Meu dia, viu-o e regozijou-se.” (João 8:56)

“Este é o dia que o SENHOR fez; regozijemo-nos e alegremo-nos nele.” (Salmos 118:24)

Ambos os textos aludem ao mesmo acontecimento profético. Deus concedeu a Abraão e a Davi a oportunidade de contemplarem o dia (a época, o tempo) tão aguardado em que a salvação se consolidaria na vida daqueles que sustentaram a fé em Cristo e em Seu sacrifício. E este dia (período, momento) estava preparado “deste a fundação do mundo” (Apocalipse 8:13).

O contexto e a inter-relação dos versos bíblicos avaliados não proporcionam nenhuma base para se considerar que Salmos 118:24 estejam vinculado ao “primeiro dia da semana” ou faça alguma alusão a um dia de descanso. A Bíblia também não atribui a característica de “pedra angular” a Jesus devido a Sua ressurreição. John Wesley (pioneiro do movimento metodista) e os fundamentalistas Robert Jamieson, Andrew Fausset e David Brown, fazem as seguintes avaliações sobre os versos de Salmos 118:22-24:

“Estas palavras são aplicadas por Cristo (Mateus 21:42) a Si mesmo, como o alicerce da Igreja (compare Atos 4:11; Efésios 2:20; I Pedro 2:4 e 7). Pode-se aqui representar a exaltação maravilhosa de Deus através do poder e influência dAquele a quem os governantes da nação desprezaram. (…) há aqui simbolicamente os surpreendentes feitos de Deus em exaltar a Cristo, crucificado como um impostor, para ser o Príncipe, Salvador e Cabeça de Sua Igreja. Este é o dia – ou período expressivo da graça de Deus por todos.”3

“A comunidade de Israel e a Igreja de Deus são aqui e em outros lugares comparadas a um edifício, onde, as pessoas são as pedras, e os príncipes e governantes são os construtores. E assim como esses mestres-construtores rejeitaram a Davi, os seus sucessores rejeitaram a Cristo, a Pedra angular de todo o edifício, pela qual as demais partes são sustentadas e firmemente unidas. Assim como Davi uniu todas as tribos e as famílias de Israel, deste modo Cristo uniu judeus e gentios. Portanto, Cristo é justamente este lugar descrito em Marcos 12:10; Atos 4:11; Romanos 9:32 e Efésios 2:20. (…) Consagrado parauma época que jamais será esquecida.”4

Outros estudiosos da Bíblia como Lutero e Calvino também negam que Salmos 118:22-24 se refiram ao “primeiro dia da semana” ou que se trate de um dia de guarda semanal. Para eles, estes versos tratam da celebração da festa dos tabernáculos, e aplicam o trecho “este é o dia“, à ela ou a qualquer outro dia de celebração vinculado às festividades de Israel.


1. WHITE, E. G. Desejado de Todas as Nações, O; sec. VII, cap. 35, p. 597-598.

2. Isaías 8:13-15; Isaías 28:16; Mateus 21:42; I Pedro 2:6-7.

3. JAMIESON, R.; FAUSSET, A. R.; BROWN, D. Commentary Critical and Explanatory on the Whole Bible, Psalms 118:22-24.

4. WESLEY, J. Wesley’s Notes on the Bible, Psalms 118:22-24.

IASDonLine

Sobre Weleson Fernandes

Avatar
Escritor & Evangelista da União Central Brasileira

Verifique também

Sermão XIV: O DIA DO SENHOR

No nosso estudo anterior analisamos rapidamente o significado de cada mandamento do Decálogo, que é a lei do tribunal do Céu; e nesta oportunidade consideraremos mais detidamente a origem, a natureza e o significado do 4º mandamento da Lei divina, que ordena observância do sábado do 7º dia da semana

Sermão XIII: A LEI DO TRIBUNAL DO CÉU

Nos nossos dois últimos estudos analisamos alguns aspectos do grande Juízo Investigativo, que iniciou no santuário celestial em 1844, ao término dos 2.300 anos de Dan. 8:14, e que dentro em breve será concluído, quando a porta da graça fechar-se-á, ao Cristo depor Suas vestes sacerdotais

E-Book: O Sábado do Sétimo Dia de Guilherme Stein Jr

  O Sábado ou o Repouso do Sétimo Dia: Sua história, Seu Objetivo e Seu …

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: