Pr. Ted Wilson Responde Sobre Música

Feliz Sábado, amigos! Foi uma alegria ao meu coração ver milhares de homenagens postadas há algumas semanas, em honra à lenda da música adventista do sétimo dia, Del Delker [N.T. – falecida em 31/01/2018]. Através do seu ministério de música, ela tocou os corações de milhões ao redor do mundo por mais de sete décadas e continuará a fazê-lo através de suas numerosas gravações. Hoje, em nosso Perguntas & Respostas, discutimos o tema da música e alguns princípios básicos. Muitas perguntas têm sido enviadas a mim sobre este tópico, duas das quais aparecem abaixo.

Perguntas:

“Há diretrizes sobre qual o tipo de músicas que podem ser tocadas nas igrejas adventistas? Muitos estão usando bandas de rock com contrabaixos e guitarras elétricas. É como se a igreja fosse mais parecida com um café ou um concerto pop/rock. Qual é o seu ponto de vista acerca da música adventista do sétimo dia? – John, da Indonésia

“Como devo lidar com as letras repetitivas e o volume doloroso da música nas igrejas adventistas em toda a América hoje? Eu vou à igreja para dar a Deus meu culto, mas a música é prejudicial. – Karen, dos Estados Unidos

Resposta:

A música tem uma maneira de alcançar a própria alma do nosso ser, muitas vezes expressando o que nós mesmos não conseguimos colocar em palavras. Como alguém disse uma vez, “a música é como os sentimentos soam”.

Como cristãos, a adoração também é fundamental para a nossa experiência com Deus e, durante milênios, a música forneceu um poderoso meio para o povo de Deus adorá-lo. A música desempenha ainda um papel vital no céu, onde os seres celestiais elevam suas vozes em louvor ao Criador (ver Apocalipse. 4, 5 e 15).

Talvez uma das razões pelas quais as discussões sobre adoração e música podem se tornar muito exaltadas emocionalmente – e até mesmo voláteis – é porque são questões que nos tocam muito profundamente.

Alguns dizem que a escolha da música é simplesmente uma questão de gosto pessoal, ou de condicionamento cultural. Outros acreditam que há um elemento moral na música e que nem todos os estilos musicais são aceitáveis ​​para Deus.

No documento de diretrizes votado pela Igreja, intitulado “Filosofia Adventista do Sétimo Dia com Relação à Música”, lemos:

“A música não é moral nem espiritualmente neutra. Pode nos levar a alcançar a mais exaltada experiência humana, pode ser usada pelo príncipe do mal para degenerar e degradar, para suscitar a luxúria, paixão, desesperança, ira e ódio.

“A mensageira do Senhor, Ellen G. White, nos aconselha continuamente a elevar nosso conceito a respeito da música. Ela nos diz: ‘A música, quando não abusiva, é uma grande bênção; mas quando usada erroneamente, é uma terrível maldição.’ ‘Corretamente empregada, … [música] um dom precioso de Deus, destinado a erguer os pensamentos a coisas altas e nobres, a inspirar e elevar a alma.’” (https://musicaeadoracao.com.br/29000/filosofia-adventista-do-setimo-dia-com-relacao-a-musica/)

Não é segredo que, ao longo das últimas três décadas, a música mudou dramaticamente em muitas igrejas, academias e universidades adventistas e em eventos patrocinados pela igreja adventista em todo o mundo. O que teria sido considerado um sacrilégio nas igrejas adventistas há poucas décadas, agora pode ser considerado comum, e até mesmo preferível, em muitos lugares.

O movimento “Louvor e Adoração” (L&A), apresentando música cristã contemporânea (MCC), com suas bandas de estilo rock e músicos se balançando, assumiu a tarefa de “levar os adoradores à presença de Deus”. Este tipo de música enfatiza os sentimentos e se concentra mais nos artistas (“Equipe de Louvor”) do que no canto congregacional.

Este movimento não afetou apenas a Igreja Adventista do Sétimo Dia. Embora suas raízes tenham surgido no Pentecostalismo, L&A e MCC se infiltraram em praticamente todas as igrejas cristãs.

Aqueles que têm a coragem de levantar suas preocupações sobre esse tipo de música e essa forma de culto que estão entrando na igreja são frequentemente rotulados como “legalistas” ou pior, são acusados ​​de estar expulsando os jovens e são envergonhados a ponto de se calarem.

No entanto, é interessante que, em muitas igrejas não adventistas, esse tipo de “adoração” e música esteja em declínio. Em um artigo intitulado “3 Reasons Contemporary Worship IS Declining, and What We Can Do to Help the Church Move On,” (3 Razões Por Que a Adoração Contemporâneo ESTÁ Declinando e O Que Podemos Fazer Para Ajudar a Igreja a Avançar), o autor e músico Jonathan Aigner escreve:

“A adoração contemporânea é um movimento instável e não teológico. Ser completamente contemporâneo exige uma lealdade servil ao novo, ao atual, ao que faz sucesso, ao que é legal e ao comercial. Requer uma rejeição completa do velho, ultrapassado, que não é atual, que não é legal e que não gera dinheiro … Esta constante necessidade de se reinventar é uma tarefa extremamente difícil para qualquer igreja, e poucas, além das maiores e mais ricas, podem fazer isso de maneira contínua com algum sucesso” (http://bit.ly/CCMdecline).

Como o remanescente de Deus, o movimento dos últimos dias, precisamos considerar cuidadosamente o que significa “Temei a Deus, e dai-lhe glória; porque é vinda a hora do seu juízo. E adorai aquele que fez o céu, e a terra, e o mar, e as fontes das águas” (Apocalipse 14: 7).

No livro de Apocalipse, temos o privilégio de contemplar a própria sala do trono de Deus. Lá ouvimos os quatro seres viventes proclamando: “Santo, Santo, Santo, é o Senhor Deus, o Todo-Poderoso, que era, e que é, e que há de vir” (Apocalipse 4: 8). Vemos os vinte e quatro anciãos lançando suas coroas diante do trono de Deus, dizendo: “Digno és, Senhor, de receber glória, e honra, e poder; porque tu criaste todas as coisas, e por tua vontade são e foram criadas” (Apocalipse 4:11).

Como então nós, seres mortais, deveríamos nos aproximar do Rei dos Reis e Senhor dos Senhores? Que tipo de música Lhe trará honra e glória através da adoração?

O salmista nos diz no Salmo 96: 1 “cantai ao Senhor um cântico novo “, e lembra-nos que “grande é o Senhor, e digno de louvor, mais temível do que todos os deuses. Porque todos os deuses dos povos são ídolos, mas o Senhor fez os céus. Glória e majestade estão ante a sua face, força e formosura no seu santuário. … Adorai ao Senhor na beleza da santidade; tremei diante dele toda a terra … porque vem, porque vem a julgar a terra; julgará o mundo com justiça e os povos com a sua verdade” (versículos 4-6, 9, 13).

É muito importante que permitamos que o Espírito Santo guie nosso pensamento ao invés de permitir que as tendências culturais e musicais contemporâneas influenciem nossos próprios estilos musicais e rumos. Isso se aplica, quer estejamos falando sobre preferências pessoais de música ou sobre música usada para adoração.

Deus nos convida a nos entregarmos completamente a Ele e Ele nos usará para influenciarmos outros para Ele. É muito importante que busquemos encontrar as respostas de Deus às perguntas sobre música na Bíblia, no Espírito da Profecia, através da oração e permitindo que o Espírito Santo impressione nossas mentes.

Em referência a Del Delker novamente, é interessante analisar por que sua música e a de muitos outros músicos centrados em Cristo tiveram influências tão poderosas e positivas sobre outros e quais princípios sustentaram essas apresentações musicais. Em minha opinião, esses princípios são eternos e podem ser aplicados hoje. Gostaria de destacar algumas observações pessoais que podem nos ajudar a entender o que Deus pretende que experimentemos com a música:

  • Como adventistas do sétimo dia precisamos viver a música espiritual que cantamos. É muito importante que nós, pessoalmente, modelemos a mensagem que cantamos ou apresentamos mostrando nosso amor por Cristo e que isso seja verdade em nossa música, para que o “eu” e o orgulho não sejam vistos, mas apenas Jesus.
  • As letras das músicas que usamos devem ter um forte conteúdo bíblico e religioso que fale ao coração. As letras devem ter um conteúdo religioso substancial, e não simplesmente repetir algumas palavras, vez após vez. As letras devem ser claras com uma mensagem completamente inspirada na bíblia.
  • As composições musicais que tocamos, cantamos ou ouvimos devem ser melodiosas e cuidadosamente arranjadas. A música não deve ter elementos de natureza não bíblica, inapropriadamente “mundana” ou estilo “rock”. Devem elevar-nos para o céu e apontar para Deus e não para nós. O Espírito da Profecia possui alguns conselhos maravilhosos sobre a música e sua influência [N.T. – ver o livro Música – Sua Influência na Vida do Cristão, disponível em https://musicaeadoracao.com.br/50066/musica-sua-influencia-na-vida-do-cristao/] incluindo o uso de bateria (sobre a qual falaremos em um próximo Perguntas & Respostas, uma vez que é uma pergunta que sido enviada).
  • Nossa música deve falar ao coração e à mente e deve ser equilibrada de acordo com instruções e conselhos da Bíblia e do Espírito de Profecia. Deve ser uma música que “edifique a fé”.

Que Deus dê a cada um de nós um entendimento melhor sobre como a música – dependendo dos princípios que embasam a música e a letra – pode destruir nossas vidas espirituais ou nos edificar em nosso relacionamento com Deus.


Fonte: Facebook – Pastor Ted Wilson

Traduzido por Levi de Paula Tavares em Fevereiro de 2018

Sobre Weleson Fernandes

Weleson Fernandes
Escritor & Evangelista da União Central Brasileira

Verifique também

Música Cristã Contemporânea x Adoração

Em um ensaio anterior, intitulado “As Duas Principais Armas do Cristão e Como Satanás Está Trabalhando …

Música: do Divino ao Maligno

Entre as perguntas que Deus fez a Jó, registradas nesse livro, que é o mais …

Música Cristã: Os Fins, Os Meios e A Missão

Na dinâmica do mundo moderno há uma pergunta sempre recorrente: como tornar o evangelho de …

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: