11. Simonianismo

Gnosticismo – Século II – Síria Magia e Feitiçaria.

Os Simonianos eram uma seita gnóstica que floresceu na Síria, bem como em vários distritos da Ásia Menor e em Roma durante o segundo século depois de Cristo. 

O simonianismo era uma forma primitiva de valentinianismo, com alguns resquícios de aristotelismo e estoicismo. 

Seus adeptos consideravam que a seita foi fundada por Simão Mago.


Suas doutrinas eram chamadas simonianismo porque eram baseadas nos ensinamentos de Simão Mago.

Orígenes de Alexandria (185-253) relata que no século terceiro ainda havia remanescentes ativos da seita simoniana. A seita foi severamente combatida e conseguiu sobreviver até o quarto século.

Quando Justino Mártir (100-165) escreveu a sua “Primeira Apologia” no ano 152, a seita simoniana parecia ter alguma influência na sociedade. 

Ele chega a citar quatro vezes o nome do seu fundador: Simão Mago. Os Simonianos também foram mencionados por Hegésipo (110-180).

As doutrinas simonianistas foram mencionadas e combatidas por Irineu de Lyon (130-202), por Hipólito de Roma (170-236) e por Epifânio de Salamina (310-403).

A seita tinha um livro chamado “A Grande Declaração”, que era uma mistura de influências helênicas e hebraicas, no qual as mesmas alegorias são aplicadas a Homero, Hesíodo e a Moisés. 

Eles também usavam o Evangelho dos Quatro Reinos Celestes também é conhecido como Evangelho das Quatro Regiões Celestes ou Evangelho dos Quatro Cantos do Mundo, que teria sido escrito por Simão Mago e seus discípulos.

Em seus cerimoniais religiosos, os Simonianos praticavam a antiga arte da magia e feitiçaria, com o objetivo de incorporar a força divina em um objeto, que poderia ser uma estátua ou um ser humano, através de um estado de transe.

Eles empregavam encantamentos e poções do amor. Proclamavam que todo sexo era amor perfeito. De maneira geral, viviam vidas dissolutas, desordenadas e imorais. Diziam que nada em si era bom ou mau por natureza.

Que não eram as boas obras que tornavam dos homens santos, mas a graça impingida por Simão e Helena naqueles que os seguiam.

Duas outras seitas tinham uma estreita conexão com os simonianos: os “Dositeanos” e os “Menandrianos”. Elas eram ramos simonianos. 

Os nomes dessas duas seitas são heranças de seus fundadores: Dositeu e Menandro.

Dositeu era um samaritano que foi pupilo de Simão Mago. Os dositeanos consideravam Dositeu como o grande profeta previsto por Moisés.

Ao final, Dositeu acabou morrendo de inanição.

Menandro tornou-se o sucessor de Simão Mago. Ele proclamou-se como o enviado de Deus: o Messias. Menandro ensinou a doutrina gnóstica sobre a criação do mundo por anjos enviados pela Sophia. 

Ele declarava que os homens receberam a imortalidade e a ressurreição pelo seu batismo e praticava as artes mágicas do antigo espiritualismo. 

A seita fundada por ele, os Menandrianos, continuaram existindo por um considerável período de tempo.

 


Clique AQUI para acessar os outros temas.

 

 

 

Sobre Weleson Fernandes

Avatar
Escritor & Evangelista da União Central Brasileira

Verifique também

36. Diofisismo

Cristologia – Século V – CalcedôniaCristo tinha duas naturezas distintas: divina e humana.Em 451 o …

35. Cirilo de Alexandria

Cristologia – Século V – ÉfesoA natureza de Cristo é única. Ela é o resultado …

34. Eutiques de Constantinopla

Cristologia – Século V – ConstantinoplaCristo tinha apenas uma única natureza: a humana foi absorvida …

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: