13. Cainitas

Gnosticismo – Século II – Egito

O corpo é corrupto, então é preciso denegri-lo com a prática de libertinagens.

Os cainitas formavam uma influente seita gnóstica cristã do segundo século depois de Cristo.

Eles veneravam Caim como o filho de uma Potestade Superior. Caim teria sido a primeira vítima inocente do Demiurgo, uma divindade inferior a Deus, e que havia criado o mundo material.

Os cainitas professavam serem da mesma estirpe de Esaú, Coré, Datã, Sodomitas e dos demais que foram atacados pelo criador deste mundo – Demiurgo – porém, este não conseguiu fazer-lhes nenhum mal.


O Deus do Antigo Testamento não é o mesmo Deus proclamado por Jesus Cristo. Pois, enquanto este último seria piedoso, benevolente, amoroso, aquele seria malévolo, ciumento, vingativo e cruel. 

Mais tarde essas ideias influenciariam outras seitas, especialmente o Marcionismo.

As informações existentes sobre os cainitas encontram-se registradas nos livros dos pais apostólicos. 

Porém, na década de setenta foi descoberto no deserto egípcio, perto de El Minya, um texto apócrifo atribuído à seita dos cainitas: o “Evangelho de Judas”, a quem teria sido confiada a missão suprema de libertar o Cristo de sua envoltura humana.

Irineu de Lyon (130-202) escreveu que os cainitas “dizem que Judas o traidor foi o único que conheceu exatamente todas estas coisas, porque só ele entre todos conheceu a verdade para levar a cabo o mistério da traição, pela qual ficaram destruídos todos os seres terrenos e celestiais. 

Para isso, mostram um livro de sua invenção que chamam o ‘Evangelho de Judas’”.

O texto apócrifo intitulado “Apocalipse Copta de Paulo” foi mencionado por Epifânio de Salamina (320-403) como sendo um trabalho da seita dos cainitas, que veneravam Caim como sendo o verdadeiro Messias.

Os cainitas acreditavam que a indulgência no pecado era a chave para a salvação da alma, pois o corpo e intrinsecamente mau, então é preciso denegri-lo com atitudes libertinas.

Segundo Irineu de Lyon, para os cainitas “um anjo está ajudando os seres humanos quando cometem qualquer ato torpe e pecaminoso, o qual faz levar a cabo toda ação atrevida e impura, de maneira que este anjo é o responsável de todas estas obras, como eles o invocam: 

 

‘Oh tu, anjo, eu cumpro tua ação; oh tu, potestade, eu levo a cabo tua obra’. 

 

E dizem que nisto consiste a gnose perfeita: entregar-se, sem vergonha alguma, a tais ações, cujo nome nem sequer é lícito pronunciar”.

A crença cainita era baseada no princípio de que o mundo material é imperfeito porque não foi criado pelo Deus Supremo, mas sim por uma inteligência inferior, a do Demiurgo.

Os cainitas acreditavam que Caim, Judas e outras pessoas tidas como ímpias foram na verdade heróis da fé que resistiram ao criador malvado, Demiurgo e cumpriram o propósito do Deus Supremo.

 


Clique AQUI para acessar os outros temas.

 

 

Sobre Weleson Fernandes

Avatar
Escritor & Evangelista da União Central Brasileira

Verifique também

38. Sérgio I de Constantinopla

Cristologia – Século VII – ConstantinoplaCristo tinha duas naturezas, mas uma só vontade: a divina.Sérgio …

37. Juliano de Halicarnasso

Cristologia – Século VI – HalicarnassoO corpo de Cristo era incorruptível.O bispo Juliano de Halicarnasso …

36. Diofisismo

Cristologia – Século V – CalcedôniaCristo tinha duas naturezas distintas: divina e humana.Em 451 o …

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: