24. Novaciano de Roma

Soterologia – Século III – Roma

Quem nega a fé não pode ser readmitido na comunhão da igreja sem o rebatismo. Novaciano de Roma (200-258) era um homem extremamente culto e que tinha sido treinado em composição literária. 

Ele tornou-se presbítero da Ásia Menor e esperava ser eleito bispo de Roma em 251. Porém, perdeu a eleição para seu rival Cornélio.

Novaciano escreveu muitos livros sobre diversos assuntos. Entre os seus títulos destacam-se os seguintes: “Sobre a Páscoa”, “Sobre o Sabá”, Sobre a Circuncisão, Sobre o Sacerdócio, Sobre a Oração, Sobre a Comida dos Judeus, Sobre a Trindade, e muitas outras.


No ano 250 o imperador romano Décio (201-251) organizou uma severa perseguição contra os cristãos. Alguns deles apostataram para salvar as suas vidas. 

Porém, no início de 251 a perseguição foi relaxada. Como resultado, muitos queriam retornar à comunhão da igreja.

Porém, Novaciano recusava a readmitir na comunhão os cristãos batizados, que durante a perseguição tinham renegado a sua fé e realizado sacrifícios aos deuses pagãos, mesmo que eles estivessem sinceramente arrependidos. 

A única maneira de ser reinseridos na igreja seria pelo rebatismo.

Essa posição encontrou muita recepção na África e na Ásia Menor, dando origem ao cisma novacionista que persistiu durante vários séculos. Os  adeptos de Novaciano formaram um movimento conhecido como novacionismo.

Em oposição do novacionismo estava o bispo de Roma, Cornélio e Cipriano, bispo de Cartago, que não acreditavam na necessidade de rebatismo, professando que os pecadores seriam perdoados caso mostrassem arrependimento e contrição verdadeiro para serem aceitos na comunhão da igreja.

Novaciano e seus seguidores foram excomungados por um sínodo romano que reuniu sessenta bispos em outubro de 251. Supõe-se que o próprio Novaciano foi martirizado entre 253 a 260, durante a perseguição aos cristãos movida pelo imperador Valeriano.

Após a morte de Novaciano, os seus correligionários espalharam-se por todas as províncias e podiam ser encontrados em grandes quantidades. Eles passaram a ser chamados de novacionistas, mas intitulavam-se puritanos.

Foram considerados cismáticos por não se submeterem à autoridade do bispo de Roma. Acabaram sendo beneficiados com a cessação das perseguições, por ocasião do Édito de Milão. Sua teologia influenciou maistarde os donatistas.

No século IV os donatistas do Norte da África mantiveram uma crença semelhante ao novacionismo. 

Porém, agora visava os cristãos que renegaram a sua fé durante a Perseguição de Diocleciano (303-313), a última e a mais sangrenta perseguição oficial movida contra o cristianismo pelo Império Romano. Os donatistas também foram considerados heréticos.


Clique AQUI para acessar os outros temas.

 

 

Sobre Weleson Fernandes

Weleson Fernandes
Escritor & Evangelista da União Central Brasileira

Verifique também

38. Sérgio I de Constantinopla

Cristologia – Século VII – ConstantinoplaCristo tinha duas naturezas, mas uma só vontade: a divina.Sérgio …

37. Juliano de Halicarnasso

Cristologia – Século VI – HalicarnassoO corpo de Cristo era incorruptível.O bispo Juliano de Halicarnasso …

36. Diofisismo

Cristologia – Século V – CalcedôniaCristo tinha duas naturezas distintas: divina e humana.Em 451 o …

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: