25. Ario de Alexandria

Cristologia – Século IV – Alexandria 

Cristo foi criado. Ele não é da mesma substância do Pai 

Ario de Alexandria (256-336) foi um genial presbítero cristão de Alexandria, Egito. Ele defendeu uma teologia que ficou conhecida como arianismo e que perdura até aos dias de hoje entre muitas seitas. Sua teologia foi considerada herética pela Igreja.

O arianismo considera que Jesus Cristo não era igual nem consubstancial ao Pai.

O sínodo de Alexandria (318) expulsou Ario da comunhão eclesiástica, mas dois outros concílios realizados fora do Egito o reabilitaram.


Ele defendeu-se com as seguintes expressões: “o que afirmamos e pensamos e temos ensinado e continuamos ensinando; que o Filho não é congênito, nem parte do congênito em nenhum sentido, nem é ele derivado de alguma substância… e antes que fosse gerado, ou criado, ou nomeado, ou estabelecido, ele não existia, porque não era congênito. 

Somos perseguidos porque afirmamos que o Filho tem um princípio, mas Deus é sem princípio”.Ario continuou disseminando as suas ideias num circulo sempre crescente por meio de hinos e outros métodos de popularização. Muitos homens de igreja uniram-se a ele.

O Primeiro Concílio de Niceia, realizado em 325, convocado por Constantino o Grande, condenou a teologia ariana, declarando-a herética e obrigando a destruição e queima de todos os livros que as ensinavam. 

Além disso, promulgou a pena de morte para quem os conservasse. Motivado pelo arianismo, o Concílio foi levado a decidir que Jesus foi gerado do Pai e da mesma substância do Pai, reconhecendo a divindade de Jesus.

Em 327 o imperador Constantino anistiou a Ario, permitindo que regressasse à cidade de Alexandria. Porém, depois de sua morte, Ario foi novamente declarado herege pela Igreja Católica.

A teologia de Ario continuou sendo difundida entre os povos bárbaros do Norte da Europa, quando da evangelização dos Godos. Os Ostrogodos e Visigodos chegaram à Europa ocidental como cristãos arianos.

Os Vândalos, Hérulos e Ostrogodos foram destruídos por Belisário, General do imperador Justiniano porque simplesmente eram nações arianas, que discordavam do bispo de Roma.

Em essência a teologia de Ario abordava os seguintes pontos:


1. Deus: 

Só existe um Deus verdadeiro, o “Pai Eterno”, princípio de todos os seres. Ele é um eterno mistério, oculto em Si mesmo, sem que nenhuma criatura consiga revelá-lo.

2. Cristo: 

Cristo é uma criatura com atributos divinos, mas não era Deus. Foi criado por Deus como um instrumento para a criação dos demais seres do Universo. 

Ele foi a primeira de todas as coisas criadas, mas nunca havia existido eternamente. Houve um tempo em que Cristo não era. Portanto, Ele era inferior a Deus o Pai.

3. Monoteísmo: 

Ario acreditava que somente a sua teoria permitiria preservar o monoteísmo no cristianismo.

4. Criação: 

Cristo é o criador de todas as coisas porque a divindade transcendente não poderia entrar em contato com a matéria.

 


Clique AQUI para acessar os outros temas.

 

 

Sobre Weleson Fernandes

Avatar
Escritor & Evangelista da União Central Brasileira

Verifique também

38. Sérgio I de Constantinopla

Cristologia – Século VII – ConstantinoplaCristo tinha duas naturezas, mas uma só vontade: a divina.Sérgio …

37. Juliano de Halicarnasso

Cristologia – Século VI – HalicarnassoO corpo de Cristo era incorruptível.O bispo Juliano de Halicarnasso …

36. Diofisismo

Cristologia – Século V – CalcedôniaCristo tinha duas naturezas distintas: divina e humana.Em 451 o …

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: