8 – COMO JESUS FOI TENTADO?

Com base nas três lições anteriores, agora podemos chegar a algumas conclusões práticas. Queremos saber que diferença tudo isso faz para o nosso dia a dia. 

Sou tentado constantemente, por tentações externas e internas. Como a vida de Jesus me ajuda nessas minhas lutas diárias? Aqui é onde começamos afazer uma conexão entre nosso assunto em geral e a justificação pela fé. 

Como Jesus foi tentado? 

 

“Porque não temos um sumo sacerdote que não possa ser tocado pelo sentimento das nossas fraquezas; porém, [um] que, como nós, em todos os pontos foi tentado, mas sem pecado.”  

Hebreus 4:15 (KJV)

(A) _____ Jesus foi tentado de maneira parecida com a qual somos tentados. 

(B) _____ Jesus não pecou porque não teve nossas tentações. 

(C) _____ Jesus foi tentado da mesma maneira que somos tentados. 

Iniciamos este estudo com o texto mais importante sobre esse assunto. Aqui aprendemos que nosso Sumo Sacerdote está muito próximo de nós e é muito solidário com nossas lutas. 

Ele pôde ser “tocado” por nossas fraquezas, porque Ele lutou com as mesmas fraquezas. Jesus foi tentado em todos os pontos, como somos tentados. Como a maioria das minhas tentações surgem dos impulsos e clamores da minha natureza caída, se Jesus não tomou essa natureza, então Ele teria sido tentado por formas diferentes das quais eu sou tentado, e consequentemente, Ele não poderia ser tentado em todos os pontos em que sou tentado. 

Ele não poderia ser tentado pelas minhas tentações de egoísmo, orgulho, raiva, desânimo, luxúria, apetite, descuido, rebelião e uma série de outras tentações que surgem da minha natureza caída. 

Mas este texto diz que o fato de Jesus viver sem pecado não foi por Ele ter evitado 90% das minhas tentações por não ter tomado uma natureza caída, mas Ele viveu sem pecado, apesar de ser tentado da mesma maneira em que sou tentado. 

Que tremendo encorajamento essa realidade deve ser para nós que vivemos a vida inteira lutando contra uma natureza que quer nos destruir. Por causa de Cristo ter vindo viver conosco, e ter tomado nossa natureza, podemos ter a gloriosa esperança de que o pecado e fracasso não são resultados inevitáveis por termos nascido em um mundo pecador e com natureza caída. 

O que Jesus não fez? 

“Não busco a minha vontade, mas a vontade do Pai que me enviou.” João 5:30 “Porque desci do céu, não para fazer a minha vontade, mas a vontade daquele que me enviou.” João 6:38 “Pai, se queres, passa de mim este cálice; todavia não se faça a minha vontade, mas a tua.” Lucas 22:42 

(A) _____ Jesus não realizou Sua própria vontade. 

(B) _____ Jesus fez o que Sua vontade lhe mandou fazer. 

(C) _____ Jesus fez a vontade de Seu Pai. 

Duas respostas corretas 

Por que seria necessário Jesus dizer isso se Sua vontade era perfeita e poderia confiar nela implicitamente, visto ser possuidor de uma natureza perfeita? 

Adão antes da queda não teria que fazer esta oração, porque sua vontade e a vontade de Deus estavam em harmonia perfeita. Não seria de se esperar que Jesus buscasse tanto Sua própria vontade quanto a vontade do Pai, uma vez que, de natureza não caída, seria de se esperar que as vontades coincidissem?

Mas encontramos essa surpreendente oração de Cristo repetidas e várias vezes em Seu ministério. Está claro que Jesus viu uma diferença entre Sua vontade e a vontade de Seu Pai. 

E se Jesus tomou nossa natureza caída, então esta oração é natural e facilmente compreendida. Nossa vontade faz parte de nossa natureza caída e, por si só, nossa vontade nos leva afazer más escolhas. De fato, nossa vontade é provavelmente o maior problema com que temos de lidar diariamente. 

Quando a vontade é entregue a Deus, nós obedecemos. Quando a vontade não se rende, desobedecemos. É apenas negando nossa própria vontade que podemos ter um relacionamento com Deus. A verdade disso tudo é que devemos fazer essa mesma oração de Cristo todos os dias de nossas vidas. O texto a seguir pode ser útil nesse momento do estudo.

 

“A vontade humana de Cristo não O teria levado ao deserto da tentação, ao jejum e a ser tentado pelo diabo. Não O teria levado a sofrer humilhação, desprezo, censura, sofrimento e morte. Sua natureza humana encolhia-se de todas essas coisas tão decididamente como a nossa se encolhe diante delas … O que Cristo viveu para fazer? Viveu para fazer a vontade de seu Pai celestial.” Signs of the Times, 29 de outubro de 1894 

A vontade de Jesus e Sua natureza, em si mesmas e por si mesmas, não estavam em harmonia com a vontade de Deus. Era o trabalho diário de Cristo negar a vontade e a natureza que Ele herdara de Sua mãe, e viver para fazer a vontade de Seu Pai. A experiência diária de Jesus na justificação pela fé é exatamente a mesma experiência que devemos ter. 

O elemento-chave da nossa caminhada cristã diária é entregar nossa vontade e desejos a Deus, e substituir nossa vontade caída pela vontade de Deus; em outras palavras, o Santo Espírito controlando nossas vidas. Então tudo o mais na caminhada cristã se ajeita com bastante facilidade. 

Realmente é fácil obedecer a Deus quando a vontade foi entregue a Ele. Jesus veio a esta terra para nos mostrar como lidar com nossas fraquezas e tentações, e nossa principal fraqueza é nossa vontade defeituosa. Se Jesus realmente veio para viver em nosso nível, Ele deve viver da maneira que vivemos. 

Jesus nosso Salvador verdadeiramente experimentou nossos sentimentos, desejos e tentações. Ele sabia como era sentir a tentação de se rebelar contra Deus, e essa tentação surgiu de dentro de sua natureza. Jesus teve que enfrentar a batalha como nós. Ele deve “combater o combate como qualquer filho da humanidade o tem de fazer, com risco de fracasso e ruína eterna.” O Desejado de Todas as Nações, p. 49 

Por que Jesus foi tentado dessa maneira? 

“Porque naquilo que ele mesmo, sendo tentado, padeceu, pode socorrer aos que são tentados.” Hebreus 2:18 

(A) _____ Jesus foi tentado para satisfazer Satanás. 

(B) _____ Jesus foi tentado para nos socorrer. 

(C) _____ Não sabemos por que Jesus foi tentado. 

A palavra “socorrer” significa ajudar, fortalecer e incentivar. Jesus foi até as profundezas da tentação, para nos mostrar uma saída do fracasso e do desespero. Ele veio viver em nosso nível para nos dar esperança. 

Por causa de Sua vitória sobre Sua natureza e vontade, Ele pode nos ajudar com nossas lutas idênticas. 

Qual deve ser a nossa atitude? 

“Cheguemos, pois, com confiança ao trono da graça, para que possamos alcançar misericórdia e achar graça, a fim de sermos ajudados em tempo oportuno.” Hebreus 4:16 

(A) _____ Devemos ter medo de nos aproximar de Deus. 

(B) _____ Não sabemos se Deus nos ajudará. 

(C) _____ Sabemos que podemos encontrar graça e ajuda de Deus. 

Por Cristo ser verdadeiramente nosso Irmão mais velho, e ter passado por nossas lutas cotidianas, podemos ter plena confiança de que em Seu nome podemos nos achegar ao próprio trono de Deus, e saber que nossas necessidades serão supridas. 

Porque Cristo tomou nossa natureza, e foi tentado em todos os pontos como somos, todo o medo se vai, e podemos ter certeza que existem respostas para todos os nossos problemas aparentemente insolúveis. Conclusão: Jesus venceu pela dependência do poder do seu Pai. 

Ele não fez uso de Seus próprios poderes ou do poder de uma natureza não caída. 

 

“E não exerceu em Seu próprio proveito poder algum que nos não seja livremente facultado.” O Desejado de Todas as Nações, p.12. 

O poder de uma natureza sem pecado não é oferecido a nós. Para Adão, era natural fazer o certo. Para nós, é natural fazer o que é errado. Se o poder da natureza não caída de Adão estivesse sobre Jesus, esse teria sido um poderoso artifício não facultado (oferecido) livremente a nós. 

A vitória de Jesus foi notável, não porque, como Deus, Ele agiu como Deus, mas porque como homem Ele não agiu como qualquer outro homem. Jesus viveu uma vida que Satanás disse que não poderia ser vivida. Ele viveu uma vida que devia ser impossível de viver. 

Se Jesus viveu uma vida sem pecado em outro nível que não o nosso nível decaído, a pergunta permaneceria: “O que isso prova?” Se Jesus tivesse vindo com uma natureza perfeita, teria feito uma ponte sobre o abismo entre Deus e homem, mas o abismo entre o homem não caído e o homem caído ainda precisaria ser superado. 

Se, no entanto, Jesus tomou a nossa natureza caída, então atravessou todo o abismo até o homem caído em sua extrema necessidade de Deus. Os resultados práticos deste estudo é que agora sabemos como a salvação funciona. 

Podemos experimentar a justiça pela fé, olhando para Cristo. Ele venceu através da submissão e oração diária. Ele deixou o Espírito Santo controlar Suas decisões diárias. E todo membro da família humana pode acessar o poder de Deus, assim como Jesus fez. Cristo: 

 

“… apoiou-se no trono de Deus, e não existe homem ou mulher que pode não possa ter acesso ao mesmo auxílio, pela fé em Deus. O homem pode tornar-se participante da natureza divina.”

Mensagens Escolhidas,Vol. 1, p. 408 

Nosso Salvador e Senhor é nosso substituto e nosso exemplo. Ele nos dá tanto a certeza da salvação como o poder de viver acima do pecado. Ele demonstrou que não precisamos mais viver em rebelião. Jesus provou que com Deus o impossível é possível. 

Por causa de Jesus, nosso futuro é brilhante e cheio de esperança. Pois a partir da vitória de Cristo em nossa natureza caída, o caminho está agora preparado para Deus fazer o impossível em nós. 

O que é totalmente impossível do ponto de vista humano é simplesmente a oportunidade de Deus para realizar o impossível mais uma vez. Se realmente queremos saber o que é a justiça pela fé e como ela funciona, tudo que precisamos fazer é nos demorarmos em contemplar a Jesus. É tão fácil permitirmos que a pressão da vida diária obscureça nossa visão dEle. Você vai separar mais tempo para contemplar mais a Jesus?


CLIQUE AQUI para acessar o índice com todas as 16 lições.

Sobre Weleson Fernandes

Weleson Fernandes
Escritor & Evangelista da União Central Brasileira

Verifique também

A IMORTALIDADE DA ALMA

  INTRODUÇÃO: Gên. 3:4.1. ” Mediante os dois grandes erros – a imortalidade da alma …

A ATRAÇÃO DA CRUZ DE CRISTO

  INTRODUÇÃO: Os méritos da cruz de Cristo oferecidos aos pecadores. 1. Completa a eterna …

A MISSÃO DA IGREJA

  INTRODUÇÃO: S. Mat. 28:19-20 1. “A igreja foi organizada para servir, e sua missão …

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: