Satanás Disfarçou-se de CD e Entrou na Igreja!

I – Há diferença entre a participação dos cantores profanos em CDs, e a participação pessoalmente nos cultos?

Porventura, a participação dos cantores profanos em Cds, difere da participação pessoal no templo? Sim.

Graças aos artifícios tecnológicos Satanás introduz na igreja apostasias e perversões doutrinais que teria dificuldade introduzir diretamente. Vejamos.

Ellen White orienta: “Nem um jota nem um til de qualquer coisa teatral deve aparecer em nossa obra.” (Evangelismo, 137.) “Nada de cunho teatral deve existir nas reuniões” (Conselho sobre Saúde, p. 481).

Lógico, o ingresso de “qualquer coisa teatral” na igreja adventista, diretamente, seria difícil, talvez quase impossível. Pois os adventistas, graças à Revelação, condenavam até o IR ao teatro, quanto mais censurável seria ousar profanar a solene exposição da “verdade presente”com esta sorte de atividade condenada por Deus.

Disfarce Eletrônico

Graças a tecnologia, através de televisores, o Diabo LEVA o teatro aos adventistas (pois onde esta o ator, está o teatro), com meio século de influência maligna, o discernimento espiritual do cristão se perverteu, a impressão e poder da mensagem divina foram destruídos como fora profetizado:

“Não há em nosso país influência mais poderosa para envenenar a imaginação, destruir as impressões religiosas e tirar o gosto pelos prazeres tranquilos e as realidades sóbrias da vida, do que as diversões teatrais.” (Conselho sobre Pais, Professores e Estudantes, p. 334).

Logo, das “diversões, a mais perigosa é o teatro.” (Conselho sobre Educação, p. 57).

Hoje há muito mais que “um jota e um til de obra teatral” na IASD. Banalizado o pecado, torna-se muito impopular advogar arrependimento. Assim, primeiro Satanás contaminou a casas dos adventistas, e os adventistas contaminam na casa de Deus.

Amados, se na vossa igreja há esta ou outra perversão. Digo-lhes:”Por que estais dormindo? Levantai-vos, e orai, para que não entreis em tentação” Luc.. 22:46. Orai e jejuai, reuni os irmãos, apresentai-lhes a verdade, com amor e firmeza, depois, “sujeitai-vos, pois, a Deus; mas RESISTI AO DIABO, e ele fugirá de vos”. Amém.

Da mesma forma, graças aos artifícios tecnológicos, no caso, os Cds, muitos pastores, anciãos e membros incautos, enganados, pelo disfarce do inimigo (CDs), permitem progressiva e imperceptivelmente, o que de outro modo haveriam de proibir (o ingresso de pandeiros e tambores na congregação e de cantores mundanos no templo, etc). Eis o eficiente disfarce doministério satânico operando através da ocultação e da invisibilidade.

Logo, concluímos, que os artifícios tecnológicos (TV, CDs, Rádio etc) servem, freqüentemente,de disfarce para que o grande regente Lúcifer gradualmente opere de forma mais eficiente, sutil, sedutora e perigosa, sem suscitar resistências, que de outro modo ocorreriam, mas nós” não ignoramos as suas maquinações” . 2Cor. 2:11.

Instrumentos de Satanás

Irmãos, sabendo estas coisas, vigiais sobre o rebanho de Deus, pela autoridade de Cristo, contra os falsos pastores e mercenários, não sejais “criancinhas no entendimento” (1Cor. 14:20); “nem deis lugar ao Diabo.” Ef. 4:27.

Aos que apreciam estes novos estilos gospel, letras evangélicas com melodias mundanas (rock, samba, country, jazz gospel etc.), alertamos: “As forças das instrumentalidades satânicas misturam-se com o alarido e barulho, para ter um carnaval, e isto é chamado de operação do Espírito Santo. … Essas coisas que aconteceram no passado hão de ocorrer no futuro. Satanás fará da música um laço pela maneira por que é dirigida. (Mensagens Escolhidas, vol. 2, págs. 36 e 38).”

Jovens lembrem-se: “Quando empregada para fins bons, a música é uma bênção; mas é muitas vezes usada como um dos mais atrativos instrumentos de Satanás para enredar almas. Quando mal empregada, leva os não consagrados ao orgulho, à vaidade, à toliceQuando se lhe permite tomar o lugar da devoção e da prece, é uma terrível maldição. Jovens reúnem-se para cantar e, se bem que cristãos professos, desonram freqüentemente a Deus e sua fé por frívolas conversas e a escolha que fazem da músicaA música sacra não está em harmonia com seus gostos. (Mensagens aos Jovens, pág. 295) Querem estilos modernos, Jazz, Blues, Rock, Country, etc.

“Todo o Mundo Faz”

Quanto ao argumento do “todo mundo faz”. Não seguimos o que o mundo faz, seguimos Aquele que fez o mundo, e tudo que nele há. “e que o mundo inteiro jaz no Maligno” 1Jo. 5:19.

Recordo, em minha infância havia sempre alguns irmãos que “puxavam” 100 a 300 hinos do hinário. A igreja toda cantava com suavidade e fervor, sem acompanhamento de qualquer instrumentos musical. Havia apenas exposição da Bíblia, sem fábulas. Havia muito labor missionário… Os irmãos construíam a igreja em mutirões, nos finais de semana, as irmãs traziam o desjejum e o almoço, experiência inesquecível! Levantar a uma casa para o Deus do Universo! Que honra! Que glória! Velhos e Jovens alegremente edificando e cantando para Jesus!

Hoje, graças aos CDs a igreja nem canta, a maioria apenas dubla e/ou canta mecanicamente, e são poucos os irmãos que conhecem mais que 30 hinos do hinário…De tanto usar a confortáveis muletas eletrônicas, a igreja está ficando paralítica!

Nosso pastor e pregador no futuro será uma TV ligada 24h na ADSAT? Ai de nós, Senhor Jesus!

II – Lutero, nosso exemplo?

Flávio Santos diz que Lutero usou: “de melodias populares com novas letras ensinando as doutrinas da reforma para o povo. E alguns hinos estão em nosso hinário até hoje, tais como ‘Ó Fronte Ensangüentada’ e ‘Castelo Forte’ que foram compostas para fins seculares e eram usadas até nas tavernas e Lutero aproveitou as melodias e as utilizou como instrumento de evangelização.”?

Devemos fazer o mesmo?

Lutero também rejeitava os livros de Hebreus, Tiago, Judas e Apocalipse, pois considerava não deveriam compor a Bíblia! Devemos fazer o mesmo?[1]

Mas será mesmo verdade que Lutero usava melodias seculares de tavernas com letras evangélicas? Não! Ele apenas introduziu alguns elementos do canto popular, como dizia:

“É minha intenção, tendo em vista o exemplo dos profetas e antigos pais, fazer salmos germânicos para o povo, isto é, cânticos espirituais pelos quais a palavra de Deus possa permanecer viva pelo canto[2].

Escreveu trinta e sete hinos; alguns, vieram dos salmos; outrostradução de velhos hinos latinos e alguns, composições originais.[3]

Observemos, seu ideal não era modernizar, mas recuperar os ensinos dos profetas e antigos pais da igreja cristã primitiva. Não profanava a música sacra. Apenas tentava restaurar e popularizar e estimular o louvor congregacional e individual, praticamente proibido e/ou desestimulado pela igreja romana… Nunca introduziu estes ritmos mundanos, sensuais ou dançantes como fazem alguns professos músicos adventistas.

Reformadores ou Modernizadores?

Muitos, uns por ignorância, outros por má fé, querem tornar os reformadores (voltar a forma original – igreja primitiva apostólica – Israel Espiritual) em modernizadores (se assemelhar a forma atual – igreja atual mundial e ecumênica – Babilônia)…

Estes, querem que a Bíblia se rebaixe ao padrões degenerados deste mundo perdido, e não que os mundo se eleve ao santos padrões de Deus. Querem falar a linguagem do mundo, os hábitos dos mundo, pois amam o mundo e o que no mundo há, e querem levar o que há no mundo, para profanar a igreja, que seduzida e enganada também amará o mundo, então o amor do Pai não estará nela! (1 João 2:15)[4]

Eles querem falar a linguagem do mundo (Teatro, Palhaçadas, Concursos, Prêmios, Música profana, com letra evangélica, Mágicas, Vaidade no vestir, Intemperança no comer, etc).[5] Pervertendo a si e aos outros eles se alegram e exultam engodados pelo número de batismos formais. Eles dizem: Graças Deus, nós falamos a linguagem o mundo, e o mundo nos ouve.

Nem sabem eles que Deus pela Bíblia os condena, dizendo: “Eles são do mundo, por isso falam como quem e do mundo, e o mundo os ouve” 1Joao. 4:5. ELES QUEREM SER AMIGOS DO MUNDO. “Infiéis, não sabeis que a amizade do mundo e inimizade contra Deus? Portanto qualquer que quiser ser amigo do mundo constitui-se inimigo de Deus.” (Tiago 4:4).

Luz Negra

Com certeza, a estes professamente cristãos e pregadores populares e mundanos “o mundo ouve”. Mas estes são sal sem sabor, só servem para serem pisados (Mat. 5:13). Poderiam ser trigo, mas querem ser joio, amam o mundo (Teatro, Cinemas, Músicas, Intemperança no comer, Indecência no vestir, etc). Não dão frutos de santificação. São luz negra. Não censuram os pecados do mundo por suas obras e palavras.

O mundo não os odeia, pois o mundo ama os que são seus! Amados, “se fosseis do mundo, o mundo amaria o que era seu; mas, porque não sois do mundo, antes eu vos escolhi do mundo, por isso e que o mundo vos odeia.” João 15:19. Disse Jesus: “o mundo …me odeia a mim, porquanto dele testifico que as suas obras são mas”. João 7:7.

Agora, esses professos adventistas, não declaram que são mundanos, mas partilham do mesmo Espírito do Mundo. Logo, é um cego guiando o outro. O deus deste século cegou-lhes o entendimento (2Cor. 4:4), pois se desviam do caminho estreito, para não entraram pela pequena porta[6]. Eles vem aos coisas com os olhos do mundo, não segundo mente de Cristo… “Afirmam que conhecem a Deus, mas pelas suas obras o negam, sendo abomináveis, e desobedientes, e réprobos para toda boa obra.” Tito 1:16.

Levante-se o Espírito Santo. Levante-se o Espírito da Reforma. Levante-se contra estes profanadores da fé, pois por muitos meios astuciosos de falsa tolerância diabólica pervertem a fé do povo.

Nenhum Instrumento

Dizer que hinos como “Castelo Forte” foram compostos com melodia secular usada em tavernas ou lupanares, é uma acusação muito ousada. Desconheço qualquer fundamento para esta assertiva…

Os reformadores rejeitavam toda sorte de profanação da música sacra, eram muito firmes em buscar restaurar as doutrinas e ensinamentos dos apóstolos à igreja cristã primitiva, por exemplo quanto ao uso de instrumentos musicais, pregavam:

LUTERO: “O órgão (!) na adoração é a insígnia [o emblema simbólico] de Baal. … Os Católicos Romanos o tomaram emprestado dos judeus.” (Martinho Lutero, Mcclintock & Strong’s Encyclopedia Volume VI, p. 762).[7]

WESLEY: “Não tenho nenhuma objeção ao uso de instrumentos de música em nossa adoração, uma vez que eles não sejam vistos nem ouvidos.” (João Wesley, fundador do Metodismo, citado em Adam Clarke’s Commentary, Vol. 4, p. 685)[8]

CALVINO: “Instrumentos musicais celebrando os louvores a Deus seriam não mais adequados do que o queimar de incenso, o acender de candeeiros, e a restauração de outras sombras da Lei. Os Papistas, portanto, têm imbecilmente tomado isto emprestado, como também muitas outras coisas, dos judeus. ( João Calvino, Commentary on        Psalms 33 )[9]

SPURGEON: “Louvai ao Senhor com a harpa. Israel estava na escola [primária] e usava coisas infantis para ajudá-la a aprender; mas nestes dias quando Jesus nos dá [sólido e maduro] alimento espiritual, pode-se fazer melodia sem instrumentos [mesmo os] de corda e de sopro. Não temos necessidade deles. Eles impediriam ao invés de ajudar nosso louvor. Cantai a Ele. Esta é a mais doce e melhor música. Nenhum instrumento é como a voz humana.” (Comentário sobre Salmo 42:4).

“Davi parece ter tido uma recordação particularmente terna do cantar [simples] dos peregrinos, e seguramente esta é a mais deliciosa parte da adoração e que chega mais próximo da adoração no céu. Que degradação suplantar o cantar inteligível de toda a congregação pela beleza teatral de um quarteto [não estamos certos se Spurgeon se refere a cantores ou rabecas], foles, e gaita de fole! Tanto podemos [inutilmente] orar mecanicamente como [inutilmente]louvar por maquinários [instrumentos e equipamentos].”(Charles H.Spurgeon,Commentary on Psalm 42.)

Spurgeon pregou para 20.000 pessoas cada domingo, por 20 anos, no Tabernáculo Batista Metropolitano, em Londres, antes do uso da eletricidade e microfones, e jamais foram instrumentos de música mecânicos usados nos cultos. Quando lhe perguntaram a razão, citou 1Co 14:15 [“Que farei, pois? Orarei com o espírito, mas também orarei com o entendimento; cantarei com o espírito, mas também cantarei com o entendimento”] e então declarou: “Eu tão cedo oraria a Deus com maquinário quanto cantaria a Deus com maquinário.”][10]

Louvor Apenas Vocal

Mas alguém dirá, mas Lutero também rejeitava os livros de Hebreus, Tiago, Judas e Apocalipse? Sim, é verdade, mas apenas Lutero pensava assim, não os outros reformadores[11]. Assim como Calvino também sozinho advogava a predestinação. Mas como vimos acima, em critérios gerais sobre música sacra, TODOS ESTAVAM de acordo e em harmonia, não eram posições particulares e extremadas…

Isto os músicos adventistas, raramente nos dizem sobre o Lutero e os Reformadores? Por que não dizem? Porventura, seráporque isto provaria que os dois maiores e melhores reavivamentos da história da igreja de Deus (igreja primitiva apostólica e na Reforma) os instrumentos eram rejeitados, e estimulado e o louvor apenas vocal, seja pelos pais da igreja, seja pelos reformadores…

Estas e outras verdades são esquecidas ou ocultadas. Pois muitos músicos adventistas não aceitam, nem divulgam esta e outras verdades, pois são contrárias as suas disposições de aceitar a singeleza, humildade e simplicidade do louvor cristão…Tais querem algo que quase excitação, que cause admiração e emocionalismo…Eles querem modernizar, levando a mundanidade e a profanação para a igreja (Teatros, Músicas satânicas, Diversões, “Celebration”, etc)…

Estas coisas os fiéis cristãos nunca fizeram em toda história, nem irão fazer, pois os fiéis cristãos sempre condenaram estas práticas, e continuarão condenando até que venham o Juiz do Mundo.

Ênfase Anti-intelectual

Na igreja dos apóstolos, as fontes são uníssonas em afirmar que instrumentos musicais eram dispensáveis e/ou tidos por inúteis e/ou prejudiciais para o louvor. (Para obter dados históricos sobre igreja cristã apostólica, bastar consultar notas finais deste artigo)[12].

Hoje, ao contrário, da igreja primitiva e dos reformadores, muitos advogam que os instrumentos seriam indispensáveis! E os estilo musicais mundanos e dançantes (Blues, Jazz, Rock, Country etc) são necessários! Que diferença entre os Espírito dos Apóstolos e dos Reformadores e dos cristãos músicos adventistas!

Quanto ao método de Lutero, ilustro. Ele via que nona sinfonia de Beethoven era popular, então, usava ELEMENTOS dessa sinfonia (não a melodia integral) para musicar um hino. Nunca vi provas de que Lutero introduziu melodias de tavernas em hinos evangélicos! Logo, digo, não foi Lutero que introduziu ritmos dançantes no louvor, como já vemos na atualmente IASD…

Amigos, então quem introduziu estes ritmos dançantes na música evangélica? Foram os pietistas, que vieram depois dos luteranos. Eles “adotaram hinos cujos ritmos tinham características dançantes”[13].

O “pietismo teve início entre os luteranos da Alemanha, no fim do século XVII, associado principalmente a Philipp Jakob Spener…”[14]. Eles se destacaram pelo teatro religioso, ou seja, as pessoas transformam-se em atores, procurando ser mais piedosas, entusiasmadas“. Desenvolveram uma “religiosidade que gerava mais CALOR EMOCIONAL do que conhecimento de Deus, consideravam-se muito melhores que os outros crentes, mas não se importavam com doutrinas, etc.

Por estas e outras razões, “pietismo assumiu uma conotação negativa, passando a ser aplicado a fanáticos e sonhadores religiosos. Havia nestes movimento “uma pronunciada ênfase antiintelectual, desnecessária, que causou forte desequilíbrio no movimento”[15].

Em suma, ritmos dançantes, teatro religioso, culto emocional, desprezo pelas doutrinas, ênfase antiintelectual, etc… Há muito pietista que pensa que é adventista. Assim, no mesmo culto emocional em que os pietistas foram consumidos, muitos adventistas serão queimados!

O culto ecumênico, também, preza, sobretudo, pelo júbilo e pelo culto emocional, e desprezo pelas questões doutrinais. Tudo pela união das igrejas. Muitos adventistas incautos, sem perceberem, estão se aproximando das filhas de Babilônia.

III – Os músicos adventistas profissionais, de maior sucesso, são cantores evangélicos e missionários?

Disse Jesus: “Cada árvore se conhece pelo seu próprio fruto; pois dos espinheiros não se colhem figos, nem dos abrolhos se vindimam uvas” (Luc. 6:44) . Portanto, “pelos seus frutos os conhecereis”. (Mat . 7:20)

Amados, citem-me, por graça, PELO MENOS UM conjunto, quarteto ou cantor solo da igreja adventista, entre os mais famosos, que tenham pelo menos propaganda periódica na Revistas Adventista, e que façam ao menos uma destas atividades, SEMANALMENTE:

  1. Cantar em velórios, para consolar aflitos;
  2. Cantar em asilos, para poucos velhinhos abandonados;
  3. Cantar em igrejas pobres e pequenas (com menos cem membros);
  4. Cantar em presídios para confortar os presos etc;
  5. Cantar em hospitais, para os pacientes acamados;
  6. Cantar em séries evangelísticas de pequenos grupos pobres;

Queridos, se algum deles já fez, algumas poucas vezes, alguma dessas atividades, eles tocam muito mais que uma trombeta (Mat. 6.2), ostentando para todo mundo que certa vez visitaram cantaram em um asilo, hospital ou presídio… Falam como se esta visita fosse um Milagre… Estes reis da música adventistas estarem nestes lugares, cantando gratuitamente, talvez seja mesmo UM MILAGRE!

“A religião pura e imaculada diante de nosso Deus e Pai e esta: Visitar os órfãos e as viúvas nas suas aflições e guardar-se isento da corrupção do mundo. (Tia. 1:27)”

Igreja, Casa de Shows

Quem já teve o desprazer de tentar convidar nossos mais famosos cantores, os Reis do Gospel Adventista, percebem que o interesse comercial já perverteu o espírito missionário, de abnegação e sacrifício, de muitos destes homens. Há muitas condições para que tais monarcas venham:

  1. Proposta de venda de um limites mínimo de CDs;
  2. Hospedagem em Hotel, alimentação em restaurantes, custos de transporte do aparelhagem e outras despesas pagas;
  3. Auditório mínimo de 200 a 2000 ouvintes dependendo da fama do músico (Lógico eles querem fazer um grande “Show”);
  4. Alguns cobram ingresso;
  5. Quando o locutor de programa de Rádio adventista local, mostrando o contrato do programa, pede doação de um CD, eles, então, com caixas repletas de CDs em mãos, dizem para o locutor escrever para a gravadora pedindo a doação!
  6. Há muitas outras condições, menos comuns, para conseguir trazer estes ídolos da música adventista;

Os fãs que idolatram estes deuses da música, desejam fazer da casa de Deus, casa de show e/ou entretenimento gospel pagam tudo com alegria. Aceitam todas as condições com muita felicidade… A casa de oração se torna casa de espetáculos para todos os povos! (Mar. 11:17) [16].

Obedecer é Melhor que Louvar

Quarta-feira, culto de oração, vinte adventistas, quinta-feira, apresentação de músicos, quatrocentos membros… Pessoas buscando a Deus, vinte adventistas, buscando homens, quatrocentos membros, e isto na casa de Deus! Para acampamento de carnaval trezentos membros, para trabalho missionário trinta adventistas! Deus está vendo quem vive a mordomia e quem vive na mordomia. Na igreja, muitos membros, poucos adventistas!

Assim, muitos cantores professamente adventistas “também, movidos pela ganância, e com palavras [e/ou músicas] fingidas, eles farão de vós negócio [vendendo muitos CDs gospel e/ou profanos nas igrejas,alguns violando até o sábado]; a condenação dos quais já de largo tempo não tarda e a sua destruição não dormita.” 2Ped. 2:3…

Estes são como Arão, conhecem que “o povo, e como ele é inclinado para o mal” (Ex. 32:22), produzem músicas de acordo com a maligna inclinação do povo. Assim, voluntária ou involuntariamente, pervertem a fé de Israel. Querem popularidade, são fracos na fidelidade e santidade, porém fortes na fama e vendas…

Com os lábios dizem: todos os instrumentos podem louvar a Deus, todas os estilos e ritmos musicais podem louvar a Deus. Só faltam dizer não importa obedecer a Deus, basta louvar a Deus, isto eles não dizem com os lábios, mas com suas obras.

“Não Julgueis…”

Ostentação, Liberalismo, Ecumenismo, Profanação musical, Prazeres, Cobiça, Indecência no Vestir, Intemperança no Comer, Amor ao mundo, e o que nele há, etc… Estes são os anjos que acompanham muitos ministérios.

Para eles tudo está certo! Errado é dizer que eles estão errados! O que Deus denúncia como pecado, eles dizem, “isto é preconceito”, “isto é verdade para aquele tempo”, “o pecado está só na cabeça da gente”, etc.! Verso preferido deles: “Não julgueis, para não serdes julgados”. Pois eles TUDO PODEM naquele Espírito de Popularidade que lhes fortalece! Se o povo achou bom, se povo chorou, se o povo gostou, se povo disse amém. Então, é tudo Santo, Santo, Santo! A VOZ DO POVO É A VOZ DE DEUS!

O povo diz: CRUCIFICA-O, CRUCIFICA-O. E eles novamente crucificam Cristo.

Enquanto isto, o ministério abnegação e sacrifício de Paulo censura este ministério pagão do conforto,da ambição e da ostentação, pois diz: “Eis que pela terceira vez estou pronto a ir ter convosco, e não vos serei pesado, porque não busco o que e vosso, mas sim a vós; pois não são os filhos que devem entesourar para os pais, mas os pais para os filhos” 2Cor. 12:14.

Espíritos Diferentes

Há uma grande diferença entre o espírito que leva cantores a fazer um Show Gospel (Revive, e outros congressos para centenas e milhares de pessoas); e o Espírito que leva os verdadeiros, pobres e humildes cantores evangélicos e missionários a cantar, gratuitamente, com simplicidade, abnegação e sacrifício, amor e simpatia, em asilos, hospitais, presídios, pequenas igreja pobres, ou nas casas para não-conversos, e irmão afastados, SEMANALMENTE. Estes estão acostumados a cantar diante de um pequeno auditório de menos de uma dezena de pessoas ou em pequenas igreja. Os que amam a ostentação, o conforto e o espetáculo nunca terão como razão principal de sua atividade musical cantar naqueles lugares para uns poucos…

A orgulho, a cobiça, a ambição, profanação, a ostentação e estilos mundanos mancha a maioria dos mais bem sucedidos e famosos cantores adventistas. “Eles são do mundo, por isso falam como quem é do mundo, e o mundo os ouve” 1 João. 4:5.

Ministério da Música

Onde estão o ministros da música? Qual é o verdadeiro ministério da música adventista?

Os verdadeiros ministros da música adventista, em regra, não têm glória, nem fama diante dos homens, não tem microfone “shure”, teclado “yamaha”, mesas “makie”, nem fazem espetáculos para três mil pessoas, etc… Eles seguem a Jesus, os apóstolos e o humildes cristãos de todos os tempos, pregam a palavra de Deus de casa em casa, CANTAM com os aflitos, aparelhados apenas com o Espírito Santo… Estes valorosos ministros do Senhor seguem a verdade,seguem a orientação de Deus:

“Entrai nas casas dos ricos e nas dos pobres, e, quando se vos ofereça ocasião, perguntai: ‘Acaso os senhores gostariam de ouvir cantar alguns hinos de louvor a Deus?’ Então, quando os corações se acham sensibilizados, talvez se abra caminho para proferirdes algumas palavras de oração pedindo as bênçãos de Deus. Não serão muitos os que se recusam a ouvir. Tal ministério é genuína obra missionária.” Conselhos aos Professores, Pais e Estudantes, págs. 547 e 548″

Estes aprenderam a louvar com singeleza, simplicidade e amor, seguiram o conselho inspirado:

“Aprendei a cantar os cânticos mais simples. Eles vos ajudarão no trabalho de casa em casa, e os corações serão tocados pela influência do Espírito Santo”. (Beneficência Social, pág. 93).

Estes não vivem do louvor,seu louvor sincero e abnegado vivifica. Seu canto é a melodia de uma vida santificada no serviço do Senhor. Sua voz simples, seus conhecimentos musicais modestos, prestam a mais perfeita honra a Deus, pois ainda que a música falhe, o coração está fiel e firme. Eles, semanalmente, cantando abrem os corações dos homens. Então, de casa em casa, de coração para coração, expõem as verdade de Deus. São cantores, pregadores, visitadores, servidores… São tudo que Deus deseja que sejam neste mundo.

São propriedade peculiar, povo santo, sacerdotes e ministros do Altíssimo. O mundo os despreza, deles ninguém faz conta, estão no anonimato, pois eles não buscam a glória de homem, mas glória de Deus. A maioria é pobre neste mundo, ricos porém na fé e fidelidade. Cantam o que vivem, vivem o que canta. Pregam o que vivem, vivem o que pregam.

Portanto, concluímos que muitos cantores profissionais, principalmente entre os mais famosos, não são cantores evangélicos e missionários. São cantores profissionais!

IV – Convêm usar mundanos para compor um louvor para Deus?

A participação de músicos mundanos é dispensável. Pois o louvor é para Deus. Deus não quer um lindo espetáculo de formalismo, mais um singela melodia de um coração fiel e santificado. Aos cantores e músicos, digo: DEUS NÃO OUVE UMA VIDA DE MELODIA, DEUS OUVE A MELODIA DE UMA VIDA. Desagrada a Deus um espetáculo formal de homem que o louva por dinheiro, e não por amor! Deus não ouve como ouve o homem, Deus ouve o coração.

Alguém disse, mas Salomão não usou incrédulos para edificar o templo. Sim, amigos, é verdade! Vejamos se agradou a Deus, a participação dos profanos na construção do seu santo templo. Ou se até nesta construção a cooperação dos incrédulos, que trabalhavam visando o lucro, trouxe seus efeitos deletérios, vejamos:

Empregou Artífices Incrédulos

Foi entre esses apóstatas que Salomão procurou um mestre-de-obras na superintendência da construção do templo no Monte Moriá. Minuciosas especificações escritas com referência a cada parte da estrutura sagrada, foram confiadas ao rei, e ele devia haver esperado em Deus com fé quanto a consagrados auxiliares, aos quais haveria sido dada habilidade especial para fazer com exatidão a obra requerida. Salomão, porém, perdeu de vista essa oportunidade de exercer fé em Deus. Mandou pedir ao rei de Tiro “um homem sábio para trabalhar em ouro, e em prata, e em bronze, e em ferro, e em púrpura, e em carmesim, e em azul, e que saiba lavrar ao buril, juntamente com os sábios que estão comigo em Judá e em Jerusalém”. II Crôn. 2:7.

O rei fenício respondeu mandando Hirão, “um homem sábio de grande entendimento, … filho de uma mulher das filhas de Dã, e cujo pai foi homem de Tiro”. II Crôn. 2:13 e 14. Este mestre entre os artífices, Hirão, era descendente, pelo lado de sua mãe, de Aoliabe, a quem, centenas de anos antes, Deus dera sabedoria especial para a construção do tabernáculo. Assim, à testa do grupo de obreiros de Salomão, foi colocado um homem não santificado, que exigiu grandes remunerações por sua habilidade fora do comum.

Os esforços de Hirão não foram inspirados pelo desejo de prestar seus melhores serviços a Deus. Ele servia o deus deste mundo – Mamom [DEUS DA RIQUEZA]. As próprias fibras de seu ser haviam sido entretecidas com princípios de egoísmo, os quais se haviam revelado em sua avidez dos mais altos ganhos. E gradualmente esses princípios errôneos chegaram a ser nutridos por seus companheiros. Enquanto trabalhavam dia a dia com ele, e cediam à tentação de comparar seu salário com os deles próprios, começaram a perder de vista o caráter santo da obra que faziam, e demorar na diferença entre o ganho deles e o de Hirão. Gradualmente, perderam seu espírito de abnegação, e fomentaram o espírito de cobiça. O resultado foi um pedido de maiores pagas, o que lhes foi concedido.

As funestas influências postas em atividade pelo emprego desse homem de espírito ganancioso, permearam todos os ramos do serviço do Senhor, e estenderam-se pelo reino de Salomão. Os altos salários requeridos e alcançados deram muito ensejo à condescendência com o luxo e à extravagância. Nos efeitos de vasto alcance dessas influências podem-se rastrear uma das principais causas da terrível apostasia daquele que uma vez fora o mais sábio dos mortais. O rei não estava sozinho em sua apostasia. Prodigalidade e corrupção manifestavam-se por todo lado. Os pobres eram oprimidos pelos ricos; o espírito de sacrifício no serviço de Deus foi por assim dizer perdido.

Aí está uma importantíssima lição para o povo de Deus nestes dias – lição que muitos são tardios em aprender. Predomina no mundo o espírito de cobiça, de buscar as mais elevadas posições e os ganhos mais altos. O antigo espírito de abnegação e sacrifício raramente se encontra. Este, porém, é o único espírito que pode atuar em um verdadeiro seguidor de Jesus. Nosso divino Mestre deu-nos o exemplo da maneira por que devemos trabalhar. E aos que convidou: “Vinde após Mim, e Eu vos farei pescadores de homens” (Mat. 4:19), Ele não ofereceu quantia estabelecida como recompensa de seus serviços. Deviam partilhar com Ele a abnegação e o sacrifício.

Os que pretendem ser seguidores do Obreiro-Mestre, e se empenham em Seu serviço como coobreiros de Deus, devem trazer para Sua obra a exatidão e habilidade, o tato e sabedoria que o Deus de perfeição exigiu na edificação do tabernáculo terrestre. E agora, como então, e nos dias do ministério de Cristo na Terra, a consagração a Deus e um espírito de sacrifício devem ser considerados os primeiros requisitos do serviço aceitável. É desígnio de Deus que nem um traço de egoísmo seja entretecido em Sua obra. — Mensagens Escolhidas, Vol. 2, Págs. 175-176.

Paz seja convosco, Humberto Caputo.


Referências:

(1) – http://www.yucatan.gob.mx/valores/biblia.htm (link não disponível)

(2) – http://www.jmc.org.br/hinologi.htm (link não disponível)

(3) – http://www.jmc.org.br/hinologi.htm (link não disponível)

(4) – 1 João. 2:15: “Não ameis o mundo, nem o que há no mundo. Se alguém ama o mundo, o amor do Pai não está nele.”

(5) – http://adventista-aconselho.com/ (link não disponível)

(6) – Mat. 7:13- “Entrai pela porta estreita; porque larga e a porta, e espacoso o caminho que conduz a perdição, e muitos são os que entram por ela.”

(7) – Nenhum Instrumento nas Músicas das Igrejas dos Primeiros Séculos

(8) – Nenhum Instrumento nas Músicas das Igrejas dos Primeiros Séculos

(9) – Nenhum Instrumento nas Músicas das Igrejas dos Primeiros Séculos

(10) – Nenhum Instrumento nas Músicas das Igrejas dos Primeiros Séculos

(11) – http://www.yucatan.gob.mx/valores/biblia.htm (link não disponível)

(12) – OS PAIS DA IGREJA PRIMITIVA

MÁRTIR: “O simplesmente cantar não agrada crianças (os judeus), mas o cantar acompanhados de instrumentos sem vida [artificiais], de danças e de bater de palmas, lhes agrada [muito]. Por isto, o uso deste tipo de instrumentos [artificiais] e de outras coisas agradáveis a crianças foi removido das músicas das igrejas, e ficamos com o puro e singelo cantar [acapela]”. (Justino Mártir, no ano 139 depois de Cristo. Mártir nasceu em 100 DC, ao tempo que João escrevia o Apocalipse ).

MÁRTIR: “O uso de música não foi recebido nas igrejas cristãs da maneira que ela era entre os judeus, no estado infantil deles, mas somente [foi aceito pelas igrejas] o uso do puro e desadornado cantar [com os puros lábios, acapela].” (Justino Mártir, 139 AD. Voltamos a ter crianças entre nós, Nadabes teimosamente amantes de modismos, outros de decibéis, outros de palmas, danças, ritmos).

CLEMENTE: “Ademais, Rei Davi, o Harpista de quem falamos acima, nos incitou à verdade e para longe dos ídolos. Tão distante estava [Davi] de cantar os louvores de demônios, que estes foram postos em fuga por ele, com a verdadeira música; e quando Saul estava possesso, Davi o curou meramente por tocar a harpa [não é dito que Davi cantou]!. [Em contraste] O Senhor [como supremo artífice] formou no homem um [o mais] lindo instrumento, que respira [com vida], [criado] à Sua própria imagem. Seguramente Ele mesmo [o Cristo] é um instrumento de Deus, totalmente harmônico, melodioso e santo, a sabedoria acima deste mundo, a Palavra celestial” … “Aquele que brotou de Davi e todavia era antes dele, o Verbo de Deus, zombou e desprezou a lira e a cítara, aqueles instrumentos sem vida. Pelo poder do Espírito Santo, Ele dispôs em harmoniosa ordem este grande mundo e, sim, o pequeno mundo do homem também, corpo e alma juntos; e nestes instrumentos de muitas vozes do universo, Ele [o Cristo] faz música para Deus, e canta com o acompanhamento do instrumento humano, ‘Porque vós sois minha harpa e meu órgão de flautas e meu templo.’ [isto é uma aplicação de 2Co 6.16?]. Clemente de Alexandria, 185 DC, “Readings” p. 62).

CLEMENTE: “Deixai o órgão de flautas [ou gaita] para o pastor [de cabras], a flauta para os homens que temem os deuses-demônios e se enfeitiçam [usando-a] na adoração dos seus ídolos. Tais instrumentos musicais têm que ser expulsos de nossas festas sem a suas asas, pois são mais adequados para os animais brutos e para aquela classe de homens que é menos capaz de raciocinar [espiritualmente]. O Espírito, para purificar a liturgia divina de qualquer tal celebração sem controles, canta [no Salmo 150]:

[a] ‘Louvai-O com o som da trombeta’ –> porque, de fato, ao som da trombeta os mortos ressuscitarão;

[b] ‘Louvai-O com a harpa’ –> porque, de fato, a língua é a harpa do Senhor;

[c] ‘e com o alaúde-saltério. Louvai-O’ –> entendendo a boca como um alaúde-saltério movido pelo Espírito, tal como o alaúde-saltério é movido pelo plectro [a palheta, de marfim ou de ouro];

[d] ‘louvai-O com o tamborim e coral [que responde em eco]’ –> isto é, a Igreja esperando pela ressurreição do corpo na carne [a pele], [Igreja] que é o coral, [o corpo e] eco [de Cristo];

[e] ‘louvai-O com instrumentos de cordas e com órgão,’ –> chamando nossos corpos um órgão e seus tendões cordas, porque deles o corpo deriva seu movimento coordenado e, quando tocado pelo Espírito, produz [os maravilhosos, inigualáveis, inimitáveis e insuplantáveis] tons humanos;

[f] ‘louvai-O com címbalos sonoros; louvai-O com címbalos altissonantes’ –> [címbalos sonoros] significam a língua da boca a qual, com os movimentos dos lábios [címbalos altisonantes], canta as palavras.

[g] Então Ele convoca a toda a humanidade ‘Tudo quanto tem fôlego louve ao Senhor’, porque Ele reina sobre todo espírito que Ele tem feito. Na realidade, o homem é um instrumento de arco [uma inigualável harpa] para a paz, mas estes outros instrumentos, se alguém se focaliza demasiado neles, tornam-se instrumentos de conflito, para inflamar as paixões. Os Etruscos, por exemplo, usam a trombeta para guerra; os Arcadianos, a corneta; os Siquels, a flauta; os Cretenses, a lira; os Lacedonianos, o tubo de órgão [ou gaita]; os Trácios, o clarim; os Egípcios, o tambor; e os Árabes, o címbalo. Mas, quanto a nós, fazemos uso de somente um instrumento: somente a Palavra [cantada] de paz pela qual adoramos Deus, não mais com as anteriores harpa ou trombeta ou tambor ou flauta, as quais aqueles [pagãos] treinados para a guerra usam.” (Clemente de Alexandria, 190AD, “The instructor, Fathers of the church”, p. 130).

EUSÉBIO: (admirável historiador, chamado “O Pai da História da Igreja”): “Antigamente, no tempo em que aqueles da circuncisão estavam adorando com símbolos e tipos, não era inapropriado elevar hinos a Deus [acompanhados] com o saltério e a cítara, e fazê-lo nos dias de sábado… [Hoje, porém] nós [os cristãos] oferecemos nossos hinos com um saltério vivo e uma cítara viva, e com cânticos espirituais. As vozes dos cristãos, em uníssono, são mais aceitáveis a Deus do que qualquer instrumento musicalÉ de acordo com isto que, em TODAS as igrejas de Deus, unidas em alma e atitude, com um só pensar e em concordância de fé e piedade, nós enviamos ao céu uma melodia em uníssono, com as PALAVRAS dos Salmos [sem instrumentos].” (Eusébio, 260-340 DC).

AUGUSTINHO: “… instrumentos musicais não eram usados. A gaita, o tamborim, e a harpa são aqui [neste mundo] tão intimamente associados com os sensuais cultos pagãos, como também com as orgias desenfreadas e com as performances imorais dos circos e teatros, que é fácil entender os [justificados] preconceitos contra o uso deles [os instrumentos] na adoração.” (Augustinho 354 D.C., descrevendo o cantar [na igreja] de Alexandria, sob Atanásio).

POR QUE SERÁ QUE, HOJE, ALGUNS DOS NOSSOS IRMÃOS MAIS AMADOS DE MODO ALGUM ADMITEM IMITAR O APÓSTOLO PAULO EM 1CO 8:13: “PELO QUE, SE O MANJAR ESCANDALIZAR A MEU IRMÃO, NUNCA MAIS COMEREI CARNE, PARA QUE MEU IRMÃO NÃO SE ESCANDALIZE”? POR QUE? QUEM PODE JUSTIFICAR?

CRISÓSTOMO: “Davi antigamente cantava canções, hoje nós também cantamos hinos. Ele tinha uma lira com cordas sem vida, a igreja tem uma lira com cordas vivas. Nossas línguas são as cordas da lira, tendo um som realmente diferente mas muito mais de acordo com a devoção. Aqui não há necessidade de cítara, ou de cordas esticadas, ou de plectro [palhetinha de ouro ou marfim, para tanger cordas], ou de arte, ou de nenhum instrumento; mas, se você quiser, você mesmo pode se tornar uma cítara, mortificando os membros da carne e fazendo uma completa harmonia entre a mente e o corpo. Porque, quando a carne não mais cobiça contra o Espírito, mas tem se submetido às suas ordens e tem sido profundamente levada no caminho melhor e mais admirável, então você criará uma melodia espiritual.” (Crisóstomo, “Exposition of Psalms 41”, escrito em 381-398 DC, Source Readings in Music History, ed. O. Strunk, W. W. Norton and Co.: New York, 1950, pg. 70. Crisóstomo viveu em 347-407 DC). Nenhum Instrumento nas Músicas das Igrejas dos Primeiros Séculos (voltar)

(13) – http://www.uneb.org.br/musica/msacra.htm (link não disponível)

(14) – http://www.pvn.com.br/miqueias/teologia.html (link não disponível)

(15) – http://www.pvn.com.br/miqueias/teologia.html (link não disponível)

(16) – “E ensinava, dizendo-lhes: Não está escrito: A minha casa será chamada casa de oração para todas as nações? Vós, porém, a tendes feito covil de salteadores.”

Sobre Weleson Fernandes

Avatar
Escritor & Evangelista da União Central Brasileira

Verifique também

Música Cristã Contemporânea x Adoração

Em um ensaio anterior, intitulado “As Duas Principais Armas do Cristão e Como Satanás Está Trabalhando …

Música: do Divino ao Maligno

Entre as perguntas que Deus fez a Jó, registradas nesse livro, que é o mais …

Música Cristã: Os Fins, Os Meios e A Missão

Na dinâmica do mundo moderno há uma pergunta sempre recorrente: como tornar o evangelho de …

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: