Até quando Satanás teve oportunidade para se arrepender?

Algumas pessoas crêem que o tempo de graça para Satanás só se esgotou na cruz (João 19:30), pois ainda nos dias de Jó ele participou com “os filhos de Deus” de uma reunião “perante o Senhor” (Jó 1:6-8). Mas a descrição desse episódio não sugere que a reunião haja ocorrido necessariamente nas cortes celestiais, e muito menos que Satanás, depois de expulso do Céu (Apoc. 12:7-9), ainda tivesse acesso à salvação.

Ellen White esclarece que o tempo da graça para Satanás e seus anjos esgotou-se com a expulsão deles do Céu. Ela declara que “Deus, em Sua grande misericórdia, suportou longamente a Satanás”, e que “reiteradas vezes lhe foi oferecido o perdão, sob a condição de que se arrependesse e submetesse”, mas ele jamais aceitou os apelos da misericórdia divina (O Grande Conflito, págs. 495 e 496). Havendo perdido sua posição nas cortes celestiais, Satanás ainda solicitou para ser readmitido no Céu, mas Cristo lhe disse que isto seria impossível. O próprio Satanás deixou a presença de Cristo “plenamente convencido de que não havia possibilidade de ser reintegrado no favor de Deus” (História da Redenção, pág. 27).

De acordo com a Sra. White, após os anjos caídos deixarem o Céu, “não havia possibilidade de esperança de redenção para estes que haviam testemunhado e compartilhado da glória inexprimível do Céu, tinham visto a terrível majestade de Deus e, em face de toda esta glória, ainda se rebelaram contra Ele. Não haveria novas e maravilhosas exibições do exaltado poder de Deus que os pudessem impressionar tão profundamente como aquelas que já haviam testemunhado.” (No Deserto da Tentação, págs. 25 e 26).

Texto de autoria do Dr. Alberto Timm publicado na Revista do Ancião de (abril – junho de 2003).

Sobre Weleson Fernandes

Weleson Fernandes
Escritor & Evangelista da União Central Brasileira

Verifique também

Sermão XX: A OBSERVÂNCIA DO SÁBADO

A Bíblia ordena a observância do sábado como dia de guarda, separado para uso sagrado, como um memorial da criação bem como da redenção. O sábado é um dia de especial comunhão e adoração a Deus. E, mais do que isso, a Bíblia declara ainda que o sábado é um sinal de santificação entre Deus e Seu povo

Sermão XIX: BATISMO, LAVA-PÉS, SANTA CEIA

No Novo Testamento encontramos algumas ordenanças que Cristo nos legou como um sinal visível de uma realidade invisível da atuação da graça salvadora de Cristo na vida do crente – o Batismo e a Santa Ceia, que por sua vez é precedida pela cerimônia do Lava-Pés.

Sermão XVIII: O SONO DA MORTE

No nosso estudo anterior vimos que os anjos são seres criados por Deus, e que eles já existiam antes da fundação do mundo; portanto os anjos não são os espíritos dos seres humanos que morreram, como afirmam alguns.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: