Veredas Antigas: Os Princípios Cristãos não Devem Mofar no Baú do Esquecimento !

A mensagem endereçada ao povo de Deus, no passado, é também oportuna para os adventistas do sétimo dia, hoje: ‘Assim diz o Senhor: Ponde-vos à margem no caminho e vede, perguntai pelas veredas antigas, qual é o bom caminho; andai por ele e achareis descanso para a vossa alma” (Jr 6:16).

Ellen White afirma: “A reforma levada a efeito por Josias tinha purificado a terra dos altares idólatras, mas o coração da multidão não havia sido transformado” (Ellen G. White, Profetas e Reis, p. 410). Hoje, a situação é pior: quase não se fala em reforma em nosso meio; por isso, o coração da maioria dos membros da igreja carece de transformação.

Estamos crescendo numericamente, mas com baixa qualidade espiritual. Prova disso é o desprezo quase generalizado pela observância das normas e princípios estabelecidos por Deus. Obviamente, a obediência formal aos mandamentos divinos não muda o coração de ninguém, assim como a destruição dos altares idólatras, no tempo do rei Josias, não mudou a condição espiritual do povo de Judá. Por outro lado, sabemos que essa negligência generalizada é sinal de que o coração da maioria dos que se consideram cristãos não foi transformado pela graça de Cristo.

Um de nossos queridos pregadores afirma que “conhecer Jesus é tudo” Ele está certo. Porém, muitas pessoas pensam que conhecer Jesus é apenas admirá-Lo. E ficam nisso. Não se entregam completamente a Ele. Não permitem que o Espírito Santo lhes transforme o coração.

A igreja de hoje precisa experimentar um reavivamento abrangente: desde os líderes até o mais modesto membro. A igreja precisa refletir o que está escrito em 2 Coríntios 5:17: “E, assim, se alguém está em Cristo, é nova criatura; as coisas antigas já passaram; eis que se fizeram novas.”

Portanto, para que abandonemos as “coisas antigas” precisamos andar pelas “veredas antigas” O caminho de volta às veredas antigas é Jesus. Ele disse: “Eu sou o caminho, e a verdade, e a vida” (Jo 14:6).

O que precisa ser restaurado entre o povo de Deus? Que valores e princípios estão no baú do esquecimento?

1. Louvor reverente. Quando nos reunimos na Casa do Senhor, precisamos respeitar a presença divina. “Guarda o teu pé, quando entrares na Casa de Deus” (Ec 5:1). Esse louvor reverente não consiste apenas em fazer silêncio. Significa apresentar-se diante do Senhor com um coração agradecido, submisso e humilde. Significa entoar hinos destituídos de ritmos extravagantes. Significa pregar a Palavra de Deus e não palavras de sabedoria humana. É ter a atitude de Samuel: “Fala, porque o Teu servo ouve” (I Sm 3:10).

2. Normas e princípios. O vestuário de um cristão transformado pela graça de Cristo é sóbrio e decente. Pode e deve ser de bom gosto, mas sem exibicionismo. A aparência pessoal precisa refletir a formosura de alma. Mas não nos esqueçamos de que, por trás de uma roupa modesta, pode existir um coração imundo.

Os princípios cristãos não combinam com novelas, revistas e sites pornográficos, filmes que exaltam crime, esperteza e malandragem, piadas de baixo calão, namoro desrespeitoso, sexo antes do casamento, infidelidade conjugal, desonestidade nos negócios, sonegação de impostos. Paulo resume objetivamente nosso manual de higiene mental: “Finalmente, irmãos, tudo o que é verdadeiro, tudo o que é respeitável, tudo o que é justo, tudo o que é puro, tudo o que é amável, tudo o que é de boa fama, se alguma virtude há e se algum louvor existe, seja isso o que ocupe o vosso pensamento” (Fp 4:8).

3. Santidade do sábado. Essa é uma vereda antiga que muitos abandonaram. Daí o conselho: “Lembra-te” (Êx 20:8). “Lembra-te” dessa vereda antiga que fala do poder criador de Deus. “Lembra-te” de que esse dia foi separado para íntimo relacionamento com o Senhor. Nada deve impedir a participação do adorador no banquete sabático.

Uma das coisas de que mais gosto no sábado é o fato de que ele me faz lembrar que dependo do Criador, para existir, e de Jesus, para ser recriado. O sábado me ensina a deixar de lado as atividades temporais para ter comunhão com Aquele em quem “vivemos, e nos movemos, e existimos” (At 17:28).

Conclusão – Voltemos para as veredas antigas. Elas não são antiquadas, pois a Palavra de Deus não envelhece. É sempre atual.

Se você é músico ou cantor, volte para as veredas antigas. Se você é pastor ou líder, volte para as veredas antigas. Se você é professor, volte para as veredas antigas. Se você é médico missionário, volte para as veredas antigas! Se você deseja morar no reino eterno, volte para as veredas antigas. Ande de mãos dadas com Jesus por essas veredas de paz.

Rubens Lessa é editor da Revista Adventista. E-mail rubens.lessa@cpb.com.br. Artigo publicado na RA de Set/2008.

Sobre Weleson Fernandes

Weleson Fernandes
Escritor & Evangelista da União Central Brasileira

Verifique também

Sábado, Adoração e Prosperidade

Que tal considerar o sábado e a adoração pela perspectiva dos verbos gostar e amar? …

A Quem Adoramos?

Nosso eterno destino depende da resposta a esta pergunta. Pr. Jan Paulsen Os discípulos ainda …

Por que Adoramos?

O verdadeiro culto está centralizado em Deus. Pr. Jonas Arrais Conta-se um episódio em que …

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: