As Duas Alianças

O Plano da Redenção do Homem pela Divindade (Heb 9:14 e 15), efetivado através do novo concerto, é o tema central das escrituras. Nossa salvação depende de abraçarmos este concerto.

Trataremos futuramente deste assunto de forma bem detalhada; no entanto, por ser um tema que gera dúvidas vamos aproveitar para fazermos juntos uma análise bíblica dos concertos de Deus.

Antes da queda, Adão tinha um concerto com Deus (Gen 2:15 a 17). Após comer do fruto proibido e quebrar esta aliança (Oséias 6:7)”Mas eles transgrediram a aliança, como Adão; eles se portaram aleivosamente contra mim.”, o homem deveria morrer (Rom 6:23). Porém, em sua infinita misericórdia, Deus veio ao encontro do homem, para oferecer seu “dom gratuito”, revelando pela primeira vez, seu plano redentor, já pronto desde a fundação do mundo:

“Porei inimizade entre ti e a mulher, entre a tua descendência e o seu descendente. Este te ferirá a cabeça, e tu lhe ferirás o calcanhar.” Gen 3:15

Este é o concerto eterno de Deus, baseado no descendente que viria. É o mesmo repetido aos patriarcas, dos quais Cristo seria descendente. Por ser Abraão o patriarca mais destacado na aliança, ficou conhecido como concerto abraâmico. A ele foi declarado:

“Em tua semente serão benditas todas as nações da Terra.” Gen 22:18

Tanto esta semente de Abrãao como aquela semente da mulher em (Gen 3:15) referem-se a Cristo (Gal 3:16). Este é o concerto da graça, o “novo concerto”, que nos oferece o perdão dos pecados nos méritos de nosso Salvador.

Outro concerto foi estabelecido no Sinai, chamado “velho concerto”. Este foi um concerto provisório, condicionado à obediência (Exo 19:5 e 6). Quando proclamada a condição deste concerto ao povo hebreu, que acabara de ser resgatado do cativeiro egípcio e não compreendia a dimensão do pecado e que sem Cristo não poderia guardar a lei, declarou o povo: “Tudo o que falou o SENHOR faremos e obedeceremos” (Exo 24:7), após a leitura do livro da aliança. Assim estavam definidas as condições do “velho concerto”: Obedece e vive. (Lev 18:5Eze 20:11Gal 3:12Rom 10:5). Por isso, em Gálatas, ao se tratar das duas alianças, é dito que a aliança do Sinai gera filhos para a escravidão (Gal 4:24).

Não passou muito tempo e os Israelitas quebraram seu concerto com Deus quando adoraram o bezerro de ouro. A sentença foi decretada por Deus a Moisés:

“Agora, pois, deixa-me, para que se acenda contra eles o meu furor, e eu os consuma; e de ti farei uma grande nação.” Exo 32:10

Foi então que Moisés intercedeu pelo povo e apelou para o concerto eterno de Deus (Exo 32:13), O qual mediante a este apelo, mudou Sua conduta (Exo 32:14).

Se o povo dependesse unicamente do concerto estabelecido no Sinai, estaria morto (entende agora porque Paulo ao tratar com os Judaizantes chama o Sinai de “ministério da morte” (2 Cor 3:7), pois a função da lei é “definir o padrão de justiça” e não a de “justificar” (Gal 3:11Gal 3:21); assim, o novo concerto é denominado como “ministério da justificação”(2 Cor 3:9) para o perdão dos pecados Jer 31:34.

O novo concerto ser anterior ao velho pode parecer estranho. O que ocorre é que embora a nova aliança tenha sido dada a Adão, só foi ratificada posteriormente à aliança do Sinai, através do sangue de Cristo (Mat 26:28), enquanto o velho concerto foi ratificado no Sinai, através do sangue de sacrifício de animais (Exo 24:7 e 8).

O Texto de Hebreus 9:16 a 26
 esclarece bem este conceito. Quando Paulo diz em Hebreus 9:16: “Porque onde há testamento, é necessário que intervenha a morte do testador”, a palavra traduzida por “testamento” é diatheke, que quer dizer “contrato, acordo ou pacto“. O texto completo explica que a velha aliança foi confirmada primeiro com o sangue da morte de animais e que o novo concerto foi confirmado o sangue de Cristo.

Porém, a idéia de que a nova aliança (graça) não era válida no antigo testamento é falsa. Esta aliança sempre foi válida, pois estava baseada nas promessas de Deus (Heb 6:17 e 18); quando foi dada outra no Sinai, não a invalidou (Gal 3:17 e 18). Na verdade, o velho concerto foi estabelecido porque o povo hebreu, em sua vida no Egito, tinha perdido a noção do pecado, e assim foi concedido por causa de suas transgressões, até a vinda do descendente (Gal 3:19).

Outra lição que o povo aprendeu ao quebrar o concerto, após adorar o bezerro de ouro, foi que sem Cristo não poderia obedecer aos reclamos da lei. Isso tudo o preparou para o novo concerto, a lei foi importante para conduzí-lo até Cristo(Gal 3:24).

Ao ser ratificado o novo concerto com a morte de Cristo, o concerto do Sinai perdeu seu sentido (Heb 8:6 a 13) ; a dívida que era contra nós (pois quebramos o concerto) foi cancelada (Col 2:14 e 15).

A idéia da invalidade do concerto do Sinai talvez tenha feito você pensar que estejamos falando contra a obediência aos Dez Mandamentos, presentes naquele concerto, mas é exatamente o contrário (Rom 6:14 e 15)“Porque o pecado não terá domínio sobre vós; pois não estais debaixo da lei, e sim da graça. E daí? Havemos de pecar porque não estamos debaixo da lei, e sim da graça? De modo nenhum!”. O velho concerto ter sido abolido não implica que a eterna Lei de Deus (Mat 5:18) (também presente naquele concerto) tenha sido cancelada. Os dez mandamentos são antes do Sinai, e temos exemplos na Bíblia de todos, antes de Êxodo 20.

A Lei de Deus foi a base do novo concerto; a ordem a Abrãao era: “Eu sou o Deus Todo-Poderoso; anda na minha presença e sê perfeito.” (Gen 17:1), e sobre ele Deus declarou: “Abraão obedeceu à minha palavra e guardou os meus mandados, os meus preceitos, os meus estatutos e as minhas leis” (Gen 26:5). O novo concerto visa, através do poder de Cristo, nos levar à conformidade com a Sua vontade. Deus estabelece o Seu concerto eterno de forma diferente da estabelecida na antiga aliança (Jer 31:31 a 36) e (Heb 8:6 a 13) ; a dívida que era contra nós (pois quebramos o concerto) foi cancelada (Col 2:14 e 15)”tendo cancelado o escrito de dívida, que era contra nós e que constava de ordenanças, o qual nos era prejudicial, removeu- o inteiramente, encravando-o na cruz; e, despojando os principados e as potestades, publicamente os expôs ao desprezo, triunfando deles na cruz.”. Para isso, Deus quer escrever Sua lei, não mais em tábuas de pedra, mas em nossa mente e em nosso coração. Em Mateus 5:17 Cristo diz: “Não penseis que vim revogar a Lei ou os Profetas; não vim para revogar, vim para cumprir.”

É interessante notar que a palavra “cumprir” vem do grego pleroo, um dos significados desta palavra é justamente “ampliar”.

Se você seguir na leitura desse capítulo, verá que é justamente isso que Cristo estava ensinando, uma ampliação de Sua santa lei. Após afirmar que nossa justiça deve exceder a dos escribas e fariseus (Mat 5:20), Cristo começa a analisar os preceitos, dando a eles uma maior dimensão: Homicídio (Mat 5:21 a 26), adultério (Mat 5:27 a 32), juramentos (Mat 5:33 a 37), vingança (Mat 5:38 a 42)“Ouvistes que foi dito: Olho por olho, dente por dente. Eu, porém, vos digo: não resistais ao perverso; mas, a qualquer que te ferir na face direita, volta-lhe também a outra; e, ao que quer demandar contigo e tirar-te a túnica, deixa-lhe também a capa. Se alguém te obrigar a andar uma milha, vai com ele duas. Dá a quem te pede e não voltes as costas ao que deseja que lhe emprestes.” e do amor ao próximo (Mat 5:43 a 48).

A guarda do mandamento motivada por amor (João 14:21 e 23)”Aquele que tem os meus mandamentos e os guarda, esse é o que me ama; e aquele que me ama será amado por meu Pai, e eu também o amarei e me manifestarei a ele. Respondeu Jesus: Se alguém me ama, guardará a minha palavra; e meu Pai o amará, e viremos para ele e faremos nele morada.”, sem dúvida, não tem limitações, pois não se baseia em nosso próprio poder, mas no poder dAquele que é todo poderoso (Efe 3:20) e nos predestinou para ser conforme a Sua imagem (Rom 8:29).

“Agora, porém, libertados do pecado, transformados em servos de Deus, tendes o vosso fruto para a santificação e, por fim, a vida eterna.” Rom 6:22

Novo Concerto

Sobre Weleson Fernandes

Avatar
Escritor & Evangelista da União Central Brasileira

Verifique também

Sermão XIV: O DIA DO SENHOR

No nosso estudo anterior analisamos rapidamente o significado de cada mandamento do Decálogo, que é a lei do tribunal do Céu; e nesta oportunidade consideraremos mais detidamente a origem, a natureza e o significado do 4º mandamento da Lei divina, que ordena observância do sábado do 7º dia da semana

Sermão XIII: A LEI DO TRIBUNAL DO CÉU

Nos nossos dois últimos estudos analisamos alguns aspectos do grande Juízo Investigativo, que iniciou no santuário celestial em 1844, ao término dos 2.300 anos de Dan. 8:14, e que dentro em breve será concluído, quando a porta da graça fechar-se-á, ao Cristo depor Suas vestes sacerdotais

E-Book: O Sábado do Sétimo Dia de Guilherme Stein Jr

  O Sábado ou o Repouso do Sétimo Dia: Sua história, Seu Objetivo e Seu …

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: