Nosso culto racional

Rogo-vos, pois, irmãos, pela compaixão de Deus, que apresenteis o vosso corpo em sacrifício vivo, santo e agradável a Deus, que é o vosso culto racional. Romanos 12:1.

O apóstolo roga a seus irmãos que consagrem o corpo a Deus. … Quando seguimos um procedimento que diminua o vigor físico e mental — em comer, beber, ou qualquer de nossos hábitos — desonramos a Deus, pois Lhe roubamos o serviço que de nós requer. Quando condescendemos com o apetite a expensas da saúde, ou quando condescendemos com hábitos que diminuam nossa vitalidade e vigor mental, não podemos ter em alto apreço a expiação, e uma justa estimativa das coisas eternas.

Quando nossa mente está embotada e parcialmente paralisada pela doença, facilmente somos vencidos pelas tentações de Satanás. Comer alimento insalubre para satisfazer ao apetite tem a positiva tendência de pôr em desequilíbrio a circulação do sangue, acarreta a debilidade nervosa, e em resultado há grande falta de paciência e de verdadeira, nobre afeição. A força constitucional, assim como o tono da moral e das faculdades mentais, são debilitados pela condescendência com o apetite pervertido.

Todos os tesouros do mundo desaparecem na insignificância quando comparados com o valor das faculdades mentais e morais. E a salutar ação dessas faculdades depende da saúde física. Quão importante, pois, é que saibamos como preservar a saúde, para que nosso dever para com Deus e o homem possa ser cumprido de acordo com os Seus mandamentos! As leis de Deus são claras e distintas. Nenhuma incerteza obscurece a qualquer delas. Nenhuma delas precisa jamais ser mal-entendida. Os que não as sabem discernir têm a mente entorpecida por seus maus hábitos, que lhes debilitam o intelecto.

Deus deseja ensinar-nos a importância da temperança em todas as coisas. Como a intemperança, pela transgressão da lei de Deus, causou a queda de nossos primeiros pais, de seu estado santo e feliz, assim a temperança em todas as coisas guardará nossas faculdades na melhor condição de saúde possível, de modo que nenhuma névoa ou incerteza as obscureça, e o intelecto possa guiar a ações retas, na observância da lei divina. … Temos de trabalhar em harmonia com as leis naturais, se quisermos discernir as reivindicações vigentes da lei que Deus proferiu do Sinai.

Ellen G. White, Nos Lugares Celestiais, pág. 196.

Sobre Weleson Fernandes

Avatar
Escritor & Evangelista da União Central Brasileira

Verifique também

O que Ellen White diz sobre o jogo de Xadrez, Cartas Damas e Dominó

  Há muitas consultas com relação de qual seja a atitude da senhora White diante …

Qual a base Bíblica do Dom Profético de Ellen White?

A Igreja Adventista do Sétimo Dia advoga o dom de profecia como válido nestes últimos …

O GRANDE CONFLITO: A História por traz do livro

História do Livro “O Grande Conflito”A. Introdução — Gen. 3:15; Apoc. 12:9-10a. Quando respondemos à …

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: