Sermão XIV: O DIA DO SENHOR

INTRODUÇÃO

No nosso estudo anterior analisamos rapidamente o significado de cada mandamento do Decálogo, que é a lei do tribunal do Céu; e nesta oportunidade consideraremos mais detidamente a origem, a natureza e o significado do 4º mandamento da Lei divina, que ordena observância do sábado do 7º dia da semana: – Êxodo 20:8-11

I – A ORIGEM DO SÁBADO


A – O Sábado Originou-se na Criação

a) a) Muitos têm procurado ver na observância do Sábado uma instituição de origem judaica, babilônica, ou até mesmo cananita. . .

b) Mas o próprio mandamento do sábado, em Êxodo 20, estabelece que o sábado é de origem divina, e que a razão para a sua observância está no fato de que “em seis dias fez o Senhor os céus e a terra, o mar e tudo o que neles há, e ao sétimo dia descansou: por isso o Senhor abençoou o dia de sábado, e o santificou” (verso 11). 

Portanto o sábado originou-se na Criação, ainda num mundo perfeito, antes da entrada do pecado.

B – A Natureza Espiritual do Sábado – Gên. 2:1-3

a) Ao inaugurar o sábado, após os seis dias da criação, Deus concedeu-lhe virtude de salvação (“santificou”), graça (“abençoou”) e paz (“descansou”)

b) Deus “descansou, não como alguém que estivesse cansado, mas satisfeito com os frutos de Sua sabedoria e bondade, e com as manifestações de Sua glória.

“Depois de repousar no sétimo dia, Deus o santificou, ou pô-lo à parte, como dia de repouso para o homem.” (Patriarcas e Profetas, p. 47)

c) E Cristo confirma o propósito do sábado ao declarar que “o sábado foi estabelecido por causa do homem” (Mar. 2:27); isto é, para o seu bem, como um canal de bênçãos ao homem.

d) “Deus viu que um repouso era essencial para o homem, mesmo no Paraíso. Ele necessitava pôr de lado seus próprios interesses e ocupações durante um dia dos sete, para que pudesse de maneira mais ampla contemplar as obras de Deus, e meditar em Seu poder e bonda- de. 

Necessitava de um sábado para, de maneira mais vivida, o fazer lembrar de Deus, e para despertar-lhe gratidão, visto que tudo quanto gozava e possuía viera das benignas mãos do Criador.” (Patriarcas e Profetas, p. 48)

e) Portanto, o sábado é “o repouso divino para a inquietude humana”!

II – O SÁBADO NO VELHO TESTAMENTO


A – Durante o Período Patriarcal

a) Muito embora a Bíblia não apresente referências diretas ao sábado durante o período patriarcal, os patriarcas conheceram uma semana de sete dias:
– Gên. 7:4; 8:10, etc.; Jó 2:13; Gên. 29:27 e 28

b) Foi a observância do sábado que preservou o ciclo semanal inalterado desde a Criação do mundo.

c) “Santificado pelo descanso e bênção do Criador, o sábado foi guardado por Adão em sua inocência no santo Éden; por Adão, depois de caído mas arrependido, quando expulso de sua feliz morada. Foi guardado por todos os patriarcas, desde Abel até o justo Noé, até Abraão, Jacó.” (O Grande Conflito, p. 453).
– Gên.26: 5

B – O Sábado Durante o Êxodo

a) “Em seu cativeiro tinham os israelitas até certo ponto Perdido o conhecimento da lei de Deus, e haviam-se afastado de seus preceitos. O sábado tinha sido geralmente desrespeitado. . .” (Patriarcas e Profetas, p. 258)

b) Um dos objetivos do êxodo, isto é, da saída dos israelitas do cativeiro egípcio, era o prover melhores condições para a observância do sábado:
– Sal. 105:43-45; Deut. 5:15

– A própria palavra “ociosos” em Êxodo 5:8 subentende uma cessação de trabalho físico num determinado período de tempo.

c) O sábado foi observado pelos israelitas antes da proclamação da Lei dos 10 Mandamentos do Sinai:

– Êxodo 16: 23

d) “O milagre do maná durou do 2º mês do êxodo (Êxo.16:1, 14, 15) até ao 1º mês da 40º ano, (Jos. 5:10-12; Êxo. 12:2-11; 16:35). O milagre repetiu-se por 2.000 sábados sucessivos. ” (Modesto Marques de Oliveira, História do Sábado e Domingo, p. 22)

C – A Lei Dada no Sinai – Êxo. 20:8-11

a) A expressão “lembra-te” pressupõe familiaridade com o sábado.

b) “Êxo. 20:11 traça a obrigatoriedade do sábado não à experiência no deserto de Sim” (quando da instituição da dádiva do maná), “mas diretamente à Criação – prova decisiva de que o sábado não se originara no deserto de Sim. (. . .) A obrigatoriedade moral do 4º mandamento, tão freqüentemente negada, pode ser claramente mostrada pela referência à origem de todas as coisas.” (Modesto M. de Oliveira, História do Sábado e Domingo, p. 22)

D – A Obrigatoriedade Universal da Observância do Sábado

a) A lei moral dos 10 mandamentos, que inclui a observância do sábado, é de obrigatoriedade universal a todos os homens:
– Ecl. 12:13

b) E por esta razão a observância do sábado abrange não apenas os judeus, mas também os gentios:
– Isa. 56:.1-7

E – O Sábado como Sinal de Santificação

a) A Bíblia declara que, após a semana da criação, Deus “santificou” o sétimo dia (Gên. 2:3). Santificar significa separar para uso sagrado.

b) E a Bíblia acrescenta que o sábado é um sinal divino de santificação:
– Ezeq. 20:12 e 20

c) Como a Palavra de Deus afirma que sem a santificação “ninguém verá o Senhor” (Heb. 12:14), a observância do sábado, como sinal de santificação. é indispensável à salvação.

OBS.: A Bíblia não menciona a idéia da observância de um dia entre sete apenas; o mandamento divino é específico em declarar que “o Sétimo dia é o sábado do Senhor teu Deus” Êxo. 20:10 .

III – O SÁBADO NO NOVO TESTAMENTO


A – O Sábado antes da Cruz

a) A falsa acusação de que Jesus aboliu o sábado originou-se com os fariseus (João 9:16); porém eles nunca puderam apresentar uma acusação contra Jesus, a respeito do sábado, que fosse verdadeira (Mar. 3:1-6; Luc. 14:6). (M. M. de Oliveira, op. cit., p. 34)

b) Jesus atacou somente a fanática roupagem humana com a qual os fariseus vestiam o sábado (Mar. 7:2, 3 e 8), para torná-lo uma instituição mais benevolente (Mat. 12:12, etc.)

c) Jesus confirmou a observância do sábado indo à sinagoga aos sábados, conforme o Seu costume:

– Mar. 1:21; Luc. 4:16 e 31; 13:10

d) Na verdade Jesus nunca transgrediu qualquer porção da Lei de Deus:
– João 15:10; 8:46; Mat. 5:17 e 18

e) E o próprio Cristo declarou que o sábado é o Dia do Senhor (Mar. 2:28).

B – O Sábado Depois da Cruz

a) Jesus faz menção ao sábado vigorando após a cruz:
– Mat. 24: 20 (A destruição de Jerusalém foi no ano 70 AD)

b) Jesus morreu na 6ª feira da páscoa, na “hora nona”, aproximadamente ás 15:00 hs. (Mat. 27:46-50). E no sábado, enquanto Jesus descansava no túmulo, os Seus discípulos também descansavam, “segundo o mandamento”:

– Luc. 23:54-56; 24:1

– Isto indica claramente que a morte de Cristo na cruz do Calvário não aboliu a observância do sábado, antes a confirmou, como um memorial de Sua redenção.

C – Os Apóstolos Observavam o Sábado
– Atos 13:13, 14, 27, 42 e 44; Atos 15:21; 16:12 e 13; 18:4 e 11

a) Há referências bíblicas pata 84 sábados observados após a cruz, pelos cristãos da Igreja Primitiva.

D – A Prova Real de que Paulo Observava o Sábado, encontra-se nas suas próprias declarações, quando do seu julgamento em Jerusalém:

– Atos25:8; 26:4-6

– “Quando Paulo esteve em Jerusalém pela última vez, os judeus levaram-no a julgamento perante o governador romano. Neste julgamento, os judeus procuraram tudo que puderam encontrar contra Paulo – suas doutrinas bem como sua conduta: (Atos 26:4-6) 

Eram os mesmos líderes que acusaram a Cristo e a Seus discípulos de transgressores do sábado. Se pudessem encontrar em Paulo qualquer coisa de que acusá-lo como transgressor do sábado, tê-lo-iam feito. Nada encontraram que dizer contra ele neste particular. 

Antes ouvimos Paulo dizer: Atos 26:4-6; 25:8; 26:7. Paulo jamais poderia haver afirmado isto, houvesse ele abandonado uma das mais sagradas observâncias dos judeus – o sábado.” (W. E. Straw, citado por M. M. de Oliveira, História do Sábado e Domingo, p. 39).

Portanto o sábado continuou a ser observado pelos verdadeiros cristãos, mesmo após a cruz, da mesma forma como antes; porém, com um duplo significado – como um memorial, não apenas da Criação mas também da Redenção divina.

IV – A PERPETUIDADE DO SÁBADO


A – O Sábado na Nova Terra

– Porém a observância do sábado não limita-se apenas ao período apostólico. Cristo disse que “o sábado foi estabelecido por causa do homem” (Mar. 2:27); portanto, enquanto existir a raça humana sobre a face da Terra, também o sábado estará em vigor.

– E mais do que isto a Bíblia afirma que nos “novos céus” e na “nova terra” o sábado continuará a ser observado:

– Isa. 66:22 e 23

B – De Eternidade à Eternidade

– Portanto o sábado transcende ao tempo. Ele originou-se no Éden, quando ainda era perfeito, e ele caminha para o Éden restaurado. O sábado é o santuário de Deus no tempo, ligando as duas eternidades.

CONCLUSÃO


A Bíblia estabelece a observância do sábado. Ele foi bom para Cristo, e o será também para nós.

O descanso do sábado é a provisão divina para o homem moderno volver o seu pensamento das inquietudes e perturbações da vida, para o seu Criador-Redentor, que é Cristo.

Na observância do sábado bíblico, encontramos uma provisão divina de salvação, graça e paz. A promessa divina é: Isaías 58:13 e 14

Que possamos ser santificados na observância do sábado, no verdadeiro espírito do sábado, que é o descanso na justificação pela fé, nos méritos de Cristo, que é o “Senhor do sábado”!

 

Clique para abrir a lista com todos os SERMÕES DOUTRINÁRIOS AQUI.

 

Sobre Weleson Fernandes

Avatar
Escritor & Evangelista da União Central Brasileira

Verifique também

A IMORTALIDADE DA ALMA

  INTRODUÇÃO: Gên. 3:4.1. ” Mediante os dois grandes erros – a imortalidade da alma …

A ATRAÇÃO DA CRUZ DE CRISTO

  INTRODUÇÃO: Os méritos da cruz de Cristo oferecidos aos pecadores. 1. Completa a eterna …

A MISSÃO DA IGREJA

  INTRODUÇÃO: S. Mat. 28:19-20 1. “A igreja foi organizada para servir, e sua missão …

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: